Moda

Viúva de ex-detento cria marca de roupas para mulheres e mães de presidiários

Liberta/Divulgação
Modelo com as roupas para visitação em penitenciárias - peças precisam ter modelos e cores específicas Imagem: Liberta/Divulgação

Letícia Mori

Da BBC Brasil em São Paulo

07/11/2017 18h32

Saia abaixo do joelho. Vestido, só se não tiver decote. Piercing e brinco são proibidos, e blusas e jaquetas não podem ter forro ou capuz.

Essas são algumas das regras de vestimenta para familiares de detentos que querem visitá-los na prisão. São proibidos roupas ou acessórios que possam dificultar a revista ou gerar algum risco, mas cada presídio tem suas regras.

Algumas determinações são bem específicas. Nas Penitenciárias 1 e 2 de Guarulhos, por exemplo, sutiãs não podem ter armação nem fecho de metal, mulheres só podem usar calça tipo legging de cores escuras e homens não podem ir de calças nas cores bege, azul claro ou cáqui.

Viúva de um ex-detento, a contadora Gladys Dantas Marques, de 40 anos, viu nessa especificidade uma oportunidade de negócio. No ano passado ela criou a marca de roupas Liberta, voltada para familiares de detentos.

"Por causa dos detalhes da regulamentação, às vezes é difícil encontrar roupas adequadas para a visitação ou para enviar para (os presos) usarem. A ideia era facilitar, principalmente porque muitas mães e mulheres viajam de longe ou têm dúvidas quanto ao que pode ou não pode", afirma.

Sem bolsos

A empresária criou diversas opções, de acordo com as diferentes regras de penitenciárias de São Paulo. As blusas, camisas e calças não têm bolso, são de cores lisas e dentro dos modelos permitidos.

A marca não é o primeiro negócio voltado para o setor criado por ela. Nos cinco anos em que visitou o marido na prisão, a contadora percebeu que enviar pacotes de alimentos e produtos de higiene era um processo trabalhoso. Assim como as roupas, os kits -- conhecidos como 'jumbo' -- precisam seguir regras.

Produtos de higiene, por exemplo, muitas vezes precisam ser retirados das embalagens originais e enviados em frascos transparentes.

"Eu trabalhava e não tinha muito tempo para cuidar de todos os detalhes. E percebi que muitas mulheres tinham o mesmo problema, então tive a ideia de criar um serviço para facilitar", afirma ela.

 

Nicho de negócio

Gladys demorou algum tempo para conseguir juntar o dinheiro e montar o negócio de venda e envio de produtos. Quando conseguiu, há cerca de três anos, seu marido já havia morrido.

Foram cerca de R$ 1,5 mil reais na criação do site, R$ 1 mil na criação do slogan e da identidade visual e mais R$ 3 mil na montagem do estoque -- são roupas, alimentos, produtos de higiene, de limpeza e de papelaria.

Alguns produtos são comprados no atacado e outros, negociados diretamente com os distribuidores. Alguns são adquiridos no varejo mesmo, a pedido das clientes.

Foi a partir da venda dos "jumbos" que Gladys teve a ideia de criar a marca de roupas. "Muitas clientes queriam enviar itens de vestuário ou comprar para elas mesmas. É difícil encontrar roupas que se encaixem (nas regras) e sejam bonitas", explica.

O negócio de venda de produtos cresceu no "boca a boca" e, depois de seis meses, começou a engatar.

"Eu já conhecia muitas mulheres nessa situação, então criei uma relação de confiança. Faço os atendimentos pessoalmente, se alguém pede uma marca específica, vou atrás", afirma ela, que hoje tem dois funcionários e transformou as duas iniciativas em sua principal fonte de renda - embora ainda mantenha a firma de contabilidade.

A empreendedora não revela o quanto fatura, mas afirma que a renda extra permite que ela pague uma segunda faculdade: está no terceiro ano de Direito. Antes mesmo da faculdade, atuava como uma espécie de consultora informal das dúvidas das clientes sobre seus direitos e as regras da visitação.

Gladys atende presídios e centros de detenção provisória masculinos e femininos no Estado de São Paulo. Já recebeu pedidos de homens, mas a maioria da clientela é feminina -- mães, mulheres e namoradas que cuidam dos filhos e maridos.

"São mulheres honestas e esforçadas. Foram os maridos ou os filhos que erraram, não elas, e mesmo assim elas passam por muitas dificuldades e por muita discriminação."

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
Ana Aoun
do UOL
UOL Mulher - Moda
AFP
do UOL
UOL Mulher - Moda
do UOL
do UOL
do UOL
ANSA
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Ana Aoun
do UOL
do UOL
Estadão Conteúdo
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Mulher - Moda
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Topo