Moda

Confecção de chapéu Panamá pode demorar meses

Getty Images
Ashton Kutcher desembarca em aeroporto da Austrália usando um chapéu Panamá Imagem: Getty Images

21/09/2011 10h44

Cuenca, Equador - Os famosos chapéus Panamá, de palha, cor branca e faixa negra, que se espalharam pelo Caribe, têm sua origem em Cuenca, uma cidade do Equador que fica a 2.500 metros acima nível do mar, nos Andes.

O chapéu, muito usado para aliviar o calor, se tornou famoso mundialmente em 1906, quando o presidente americano, Theodore Rooselvelt, o usou e tirou uma fotografia em cima de umas escavadeiras que abriam o Canal do Panamá, cidade que deu nome ao acessório.

Em torno de 500 mil chapéus saem anualmente de Cuenca, onde os artesãos equatorianos começaram a exportá-lo no século XIX.

Na época, os chapéus eram transportados em cavalos ou burros até Guayaquil, no Pacífico, de onde seguia para o Panamá, explicou à Agência Efe Alicia Ortega, presidente de uma empresa familiar que há 120 anos produz o acessório e exporta 216 mil unidades anualmente a 28 países, principalmente da América.

"Um chapéu nunca é igual a outro, porque são feitos à mão", indicou Alicia, que destacou a dificuldade de confecção do chapéu, que pode demorar dias ou meses, dependendo do modelo.

A palha "toquilla" sai de uma planta parecida com uma palmeira, de clima úmido e tropical, localizada no litoral equatoriano.

Os artesãos desfiam as folhas e depois cozinham as fibras com enxofre, para que fiquem brancas, macias e prontas para serem manuseadas, sendo, depois, transportadas para Cuenca.

O material é distribuído depois aos tecedores, indicou Alicia, que fazem da atividade um complemento ao trabalho "na agricultura", gerando renda adicional.

O acabamento dos chapéus é feito na fábrica, onde também são tingidos, passados, modelados e decorados, até estarem prontos para a venda.

Segundo Alicia, 95% dos chapéus são exportados para países distantes como o Cazaquistão, Turquia, Síria, Japão, China, Austrália, Itália, Alemanha e Espanha.

No total, 98% dos chapéus do Equador são elaborados em Cuenca e o resto é feito, principalmente, em Montecristi, localidade litorânea que onde nasceu o líder do liberalismo no país, Eloy Alfaro, que comandou a empresa de chapéus de seu pai, o espanhol Manuel Alfaro.

Segundo Alicia, a entrada da China no mercado causou "estragos" na indústria equatoriana, pois o país asiático produz imitações mais baratas, embora sua empresa tenha usado a criatividade e se renovado.

A palha "toquilla" não só dá vida a uma infinidade de chapéus, mas também é transformada em buquês de flores, bolsas, porta-moedas e até mesmo vestido de noiva.

Talvez um dos segredos da empresa para se adaptar aos novos tempos e permanecer no mercado seja a sabedoria e a técnica para elaborar chapéus que são transmitidas de pais para filhos.

"Já estamos na quinta geração", afirma Alicia, que confessou que sua filha confecciona o design dos novos produtos.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

do UOL
do UOL
UOL Mulher - Moda
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Moda
Moda
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Mulher - Moda
do UOL
do UOL
UOL Mulher - Moda
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo