Moda

Zara assume compromisso de erradicar trabalho escravo

São Paulo, 10 nov (EFE).- A multinacional espanhola Zara e seus provedores diretos se somaram nesta quinta-feira ao Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo no Brasil, promovido por entidades governamentais e da sociedade civil.

A Zara assinalou em comunicado que o objetivo do pacto é "implementar ferramentas para que o setor empresarial e a sociedade brasileira avancem na promoção de condições sociais e de trabalho dignas, garantindo o cumprimento tanto da legislação brasileira como das normas internacionais".

O pacto conta com o apoio de 220 empresas que representam um faturamento de 20% do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil.

Com a adesão, a Zara assume dez compromissos em sua gestão, entre eles uma fiscalização anual por parte do Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social, da Organização Internacional do Trabalho (OIT), da ONG Repórter Brasil e do Instituto Observatório Social.

Felix Poza, diretor de Responsabilidade Social Corporativa do Grupo Inditex - da qual a Zara faz parte -, indicou no comunicado que a decisão da empresa reforça a política de combate a qualquer forma de precariedade nas relações trabalhistas, além de reafirmar o empenho constante na promoção de condições adequadas de trabalho.

O Ministério Público do Trabalho abriu em agosto 52 atas de infração contra a Zara ao encontrar evidências de que a empresa AHA, um de suas provedores no Brasil, comprava roupas elaboradas em duas oficinas onde os trabalhadores - a maioria bolivianos - eram submetidos a condições de trabalho compulsório.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 
Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Topo