Moda

Acusada de usar trabalho escravo, Zara recusa acordo com Ministério Público

AFP
Fachada da Zara no shopping Iguatemi, em São Paulo Imagem: AFP

01/12/2011 07h45

São Paulo - O Ministério Público do Trabalho (MPT) e a confecção espanhola Zara, acusada de usar o serviço de empresas terceirizadas que empregavam trabalhadores em condições precárias, semelhantes à escravidão, não chegaram nesta quarta-feira (30) a um acordo para a assinatura de um Termo de Ajuste de Conduta (TAC).

As duas partes, no entanto, expressaram a intenção de seguir negociando para evitar que o caso seja levado à Justiça. A Zara recusou assinar o TAC proposto pelo MPT e apresentou um plano de ação alternativo durante reunião realizada em São Paulo.

Em entrevista coletiva, o procurador Luiz Carlos Fabre explicou os termos do TAC, que prevê uma indenização de R$ 20 milhões, que a Zara teria de pagar como compensação por danos morais coletivos.

Ele explicou que a empresa não concordou com o prazo de validade do TAC e nem em se responsabilizar sobre a cadeia produtiva terceirizada.

O procurador detalhou que a quantia foi calculada em função da gravidade dos fatos, da ampla repercussão na sociedade e com o objetivo de não ser tão alta a ponto de ser inviável nem tão baixa que se caracterizasse como inócua.

Segundo Fabre, a cadeia de provedores se estrutura em torno da empresa à qual abastece, por isso, "quem deve assumir o custo é aquela que, em última instância, é a maior beneficiada".

Ele explicou que entre as disposições em desacordo se encontram as relativas à "responsabilidade jurídica" de Zara sobre suas provedores e o prazo de validade do TAC.

O procurador disse que estudará a contra-proposta da companhia, e que se for necessário, o Ministério ajuizará uma ação civil pública, embora recorrer aos tribunais seja a última opção.

Félix Ribeira, diretor de Responsabilidade Social Corporativa do Grupo Inditex, ao qual pertence a Zara, explicou que um dos motivos da recusa da empresa a assinar o documento é a falta de "propostas concretas" para pôr fim ao problema.

"Para nós a questão não é o valor da indenização", mas sim que o acordo contemple "projetos que sejam realistas e eficazes para resolver a situação", afirmou Ribeira.

Inspeções realizas pelo Ministério do Trabalho e pelo MPT identificaram funcionários de uma empresa fornecedora da Zara trabalhando em condições consideradas análogas à escravidão.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

do UOL
do UOL
do UOL
Opiniões Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Mulher - Moda
do UOL
UOL Mulher - Moda
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo