Moda

Figurinista de "New York New York" fala sobre as roupas do musical

JULIA GUGLIELMETTI

Colaboração para o UOL

13/04/2011 14h39

O musical "New York New York" estreia nesta quinta-feira (14), no Teatro Bradesco, em São Paulo. O espetáculo é a primeira adaptação para teatro do filme de Martin Scorcese e do livro de Earl Mac Rauch, de mesmo nome.

O projeto idealizado pelo Maestro Fábio Gomes de Oliveira e pelo diretor José Possi Neto conta a história de amor entre uma cantora e um saxofonista, ambientada nos Estados Unidos após a Segunda Guerra Mundial. O elenco conta com 54 artistas, incluindo cantores, atores e bailarinos e é protagonizado por Alessandra Maestrini, no papel de Francine Evans e Juan Alba, como Johnny Boyle.

Evocando o período pós-guerra da segunda metade dos anos 1940, o figurino de Miko Hashimoto inspira uma época em que os acessórios ganhavam um notável destaque e os filmes noir hollywoodianos ditavam moda. “A história do musical se passa no final de 1945 e vai até os anos 1950. Neste período, havia pouco material para as mulheres se vestirem e havia então, uma grande evolução na parte de acessórios, tanto em chapéus, luvas e sapatos, quanto em bijouterias”, disse Miko Hashimoto em entrevista ao UOL Estilo.

A intenção da figurinista era agregar ainda mais acessórios, principalmente chapéus, mas a dinâmica do musical não permitiu. “O elenco dança muito e faz muitas piruetas, não havia como”, contou Miko. Os vestidos valorizam a forma feminina e têm comprimento sempre na altura ou abaixo do joelho. “Apesar de todo o problema que a guerra ocasionou e com a grande restrição de produção de vestuário, havia estilistas maravilhosos no período, como Dior e Balenciaga. Foram tempos em que a modelagem teve grande desenvolvimento e houve grande valorização da forma feminina”.

A personagem principal, Francine Evans, ganhou um figurino especialmente confeccionado pelo Atelier Chris Daud para Claudeteedeca. Os sapatos femininos foram adaptações de modelos da Masqué e os masculino, da CNS.

“Os modelos foram desenhados por nós em conjunto [com o Atelier Chris Daud para Claudeteedeca] e não se sabe se estarão à venda”, disse a figurinista Miko Hashimoto. “Para os sapatos femininos, fizemos uma parceria com a Masqué, adaptamos alguns modelos da marca para o palco, mudamos as cores, os saltos, as plataformas e alguns materiais”.

A designer da marca, Adriana Pedroso, disse que foram adaptados cinco modelos de sapatos e ainda criado mais dois exclusivos para a personagem Carmem Miranda. “Como os sapatos Masqué já possuem uma estética mais próxima do retrô, nos preocupamos principalmente em adequar a estrutura dos modelos de nossa coleção de inverno às necessidades do elenco”, disse ela.

Ainda não há planos de produzir as adaptações exclusivas dos sapatos do espetáculo, mas a coleção que deu origem está nas lojas.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Mulher - Moda
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Moda
Moda
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Mulher - Moda
do UOL
do UOL
UOL Mulher - Moda
do UOL
do UOL
Topo