Moda

E-commerces melhoram experiência para cliente que teme comprar roupa online

Divulgação
Loja física da Amaro, onde a cliente pode provar as roupas que lhe interessaram via web Imagem: Divulgação

Carolina Maggi

Do UOL, em São Paulo

12/08/2015 07h00

Lojas online já não são mais novidade e tornaram-se a primeira opção de muitas pessoas que precisam renovar o guarda-roupa. Entretanto, apesar de esse tipo de comércio ser cada vez mais comum, ainda existem pessoas que têm receio de comprar roupas pela internet, seja por não acharem o ambiente seguro ou por ficarem com medo de a peça adquirida não servir ou não ser bem aquilo que esperava --apostando, como alternativa prática, até em marcas que comercializam seus itens de moda via WhatsApp.

Por isso, alguns e-commerces têm investido cada vez mais em ferramentas que ajudem o consumidor, tornando a experiência mais interessante para o cliente na hora de encher o carrinho virtual. "Hoje em dia, com tantas opções, não é mais o produto só que faz diferença. O que faz a gente comprar é como eu me sinto e o quanto eu sou valorizada e diferente dos outros", acredita Gabriella Otto, professora de Educação Executiva da ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing).

Chat com personal stylist
Um dos problemas que a compra online pode causar é a dúvida na hora de escolher a peça. Será que tem a ver com o seu estilo? Combina com quais outras que você tem no armário? Por isso, para ter com quem esclarecer esses tipos de perguntas, a Shop2gether disponibiliza um chat online com personal stylist na sua página de e-commerce. "A gente tem uma pessoa que pode dar dicas de consumo para o cliente no momento da compra. É uma forma também de se aproximar do consumidor, a aquisição deixa de ser solitária e a experiência se torna outra", explica Ana Isabel Carvalho Pinto, sócio-fundadora e diretora de marketing da Shop2gether.

Além disso, a loja virtual oferece a ferramenta Find my Size, que sugere o tamanho de cada peça que o cliente usa de acordo com as medidas que ele fornece para o site. "Isso faz com que se personifique o consumo e com que a pessoa se sinta mais à vontade", acredita a empresária.

Provador virtual
Se as dicas de um personal stylist ainda não convenceram, a Dafiti, e-commerce multimarcas, tem em seu site o dafitiME, um provador virtual que possibilita que o cliente “experimente” as roupas online por meio de um avatar, que ele próprio cria, com suas medidas e características. "Uma das perguntas que sempre surgia dos consumidores era: será que a peça vai caber em mim? Será que vai ficar legal? Por isso, queríamos oferecer uma solução que trabalhasse mais essa interatividade", explica Malte Huffmann, sócio-fundador da Dafiti.

Esse serviço também tenta conquistar as pessoas mais inseguras, que não se sentem confortáveis em comprar a peça sem experimentar no corpo. "Esse tipo de tecnologia otimiza e apazigua insegurança do consumidor em um ambiente digital e faz com que ele concretize a compra com mais facilidade", aponta Otávio Lima, coordenador da pós-graduação Master em Negócios e Varejo de Moda da Universidade Anhembi Morumbi.

Do online para o físico
Já a Amaro, marca originalmente virtual, decidiu se aventurar pelo offline e abriu duas loja física nos shoppings Pátio Higienópolis e Morumbi, na capital paulistana, onde disponibilizam as mesmas peças que são vendidas em sua loja online, sem estoque. "Como a Amaro nasceu online, queremos proporcionar uma experiência nos nossos Guide Shops que coloca os produtos em foco. Queremos que nossos clientes toquem, provem e experimentem nossas peças", diz Dominique Schweingruber, CEO da Amaro.

Dessa forma, quem chega à loja da marca pode experimentar as roupas com a ajuda de uma stylist, realizar a compra e recebê-las em casa ou, então, optar pela compra online e fazer a retirada na loja --que passará a ter o item em questão devido à encomenda realizada via web. A intenção, segundo Schweingruber, é proporcionar uma prática de compra cada vez mais integrada entre o online e o offline. "Nós estamos em um momento em que a virtualização é uma tendência natural, o que gera a necessidade de integração de todos os canais na moda", indica Regiane Romano, Doutora em administração de empresas pela Fundação Getúlio Vargas e especialista em varejo.

Interação com o produto
Entretanto, na opinião do stylist e coordenador de pós-graduação da Faculdade Santa Marcelina, Marcio Banfi, apesar de toda a praticidade dessas ferramentas, a interação com o produto ainda é muito importante. "A intenção de misturar moda e tecnologia é ótima e pode ajudar quem não gosta ou tem pouco contato com a roupa, mas é importante que as pessoas não percam o hábito de ir às lojas", acredita.

Segundo Banfi, ainda que se possa ver a peça no corpo de maneira virtual, ou mesmo ter a ajuda de um profissional online, não dá para saber qual é o real caimento da peça, por isso a importância de se interagir com ela. "Essas ferramentas são uma forma de chamar o cliente, tentar diferenciar o seu trabalho e a sua marca, mas é essencial que a pessoa também possa se conhecer e desenvolver o senso crítico do que realmente fica bom nela ou não", finaliza.
 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Mulher - Moda
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
RedeTV! Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
Bloomberg
do UOL
UOL Mulher - Moda
RedeTV! Entretenimento
RedeTV! Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Notícias
Topo