Moda

Cordinhas de óculos são o acessório da vez para um look retrô e descolado

Arquivo Pessoal
A analista de marketing Marcela Regne adora cordinhas de óculos Imagem: Arquivo Pessoal

Mark Cardoso

Colaboração para o UOL

25/07/2017 04h00

Depois da pochete e das botas brancas, chegou a vez de mais um acessório inesperado: as cordinhas de óculos. Elas fizeram sucesso -- muito por conta de sua funcionalidade -- nos anos 1980 e 1990, e já ocupam os feeds e os rostos de fashionistas e descolados.

Essa mistura de praticidade e estilo fisgou a analista de marketing Marcela Regne, 28. “Vi uma conhecida usando uma que ela mesma tinha feito e fiquei louca”. Até que, em uma viagem a Roma, Marcela comprou o acessório em uma lojinha. De lá para cá, se tornou fã -- e até improvisa novos modelos. “Às vezes, tiro cadarços dos meus tênis e os amarro nas pernas dos óculos. Amo óculos, e as cordinhas são uma forma de não perdê-los. Um design funcional”.

Arquivo Pessoal
Marco Aurélio acha o acessório muito prático Imagem: Arquivo Pessoal

O arquiteto goiano Marco Aurélio Leal, 31, se encantou com o acessório em uma viagem ao Rio de Janeiro. “Quis muito usar. Não só por ter achado lindo, mas por que é muito prático. Durante o dia, eu coloco no pescoço e vou pro escritório ou visitar obras sem me preocupar com os óculos de sol”, conta ele, que correu para comprar na internet, quando voltou para casa. “Lembro-me do meu avô usando e, inclusive, estou muito interessado em pegar uma dele (risos).”

Tendência inspira negócios

A estética retrô-divertida também encantou Gustavo Xavier, 30. “Vi uma amiga com uma de motivos étnicos e pensei: ‘quero muito!’” Gustavo trabalhava com publicidade de moda, fazia produções no exterior e acompanhava desfiles estrangeiros, como o da Balenciaga. “Comecei a observar a volta desse acessório às passarelas”, lembra ele que, no começo deste ano, comprou um.

 

Uma publicação compartilhada por Balenciaga (@balenciaga)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

em

A modinha virou negócio. “Meu melhor amigo viu e comentou que sempre procurava, mas quando achava, encontrava sempre peças muito parecidas”. Isso foi o pontapé para que Gustavo e Philip Touma fundassem a The Chain Lab. “Fizemos uma cordinha e nossos amigos gostaram. Daí vendemos para amigos”, lembra Gustavo, que já tinha bom relacionamento com influenciadores digitais, o que ajudou no novo negócio.

Essa onda dos anos 1980 e 1990 também acabou trazendo as cordinhas para o rol de produtos do Hobby de Bolinha, de Marcella Uehara, que oferece mais de 70 modelos diferentes. “O acessório conversa com o estilo. Faz a vez de um brincão, de um colar”, compara.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Ana Aoun
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Moda
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Ana Aoun
do UOL
do UOL
UOL Mulher - Moda
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo