Moda

Marca Hugo Boss lamenta passado nazista

22/09/2011 16h01

Frankfurt - A casa de moda alemã Hugo Boss pediu desculpas às pessoas maltratadas em uma fábrica que produzia uniformes durante a Segunda Guerra Mundial depois de revelações feitas por um novo livro financiado pela empresa.

No livro, o pesquisador Roman Koester explica como a fábrica de roupas de Hugo Ferdinand Boss, na cidade de Metzingen, no sul da Alemanha, empregou trabalho forçado durante a guerra.

Boss integrou o Partido Nacional Socialista em 1931 e os pedidos por uniformes do partido salvaram sua fábrica da falência.

Como os trabalhadores tornaram-se escassos durante a guerra, a fábrica empregou 140 trabalhadores forçados, em sua maioria mulheres. Outros 40 prisioneiros de guerra franceses trabalharam para a companhia de outubro de 1940 a abril de 1941.

A Hugo Boss, que no passado foi chamada de "alfaiate de Hitler", disse que financiou a pesquisa de Koester a fim de levar "clareza e objetividade à discussão".

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Ana Aoun
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Moda
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Ana Aoun
do UOL
do UOL
UOL Mulher - Moda
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo