Estilo de vida

Virado à paulista é candidato a patrimônio imaterial de SP

Jefferson Coppola/Folhapress
Virado à paulista do restaurante Bolinha, localizado na capital paulista Imagem: Jefferson Coppola/Folhapress

São Paulo - Arroz, tutu de feijão, bisteca, linguiça, couve, torresmo, banana à milanesa e ovo frito. Criado no século 18, em São Paulo, e servido tradicionalmente às segundas-feiras, o virado à paulista é candidato a se tornar patrimônio imaterial da cidade.

No dia 19 deste mês, o Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp) recebeu requerimento pedindo o registro do prato, o preferido dos bandeirantes.

Ele foi enviado pelo vereador Juscelino Gadelha (PSB), que também já protocolou outros cinco pedidos de patrimônio imaterial, entre os quais estão a festa de San Gennaro, na Mooca, zona leste da cidade.

"Hoje, os botecos fazem bem menos virado à paulista. É importante que o prato seja tombado para preservar a tradição", diz o professor de Gastronomia da Faculdade Anhembi Morumbi, Ricardo Maranhão. O professor ainda afirma que tombar um prato significa resguardar a sua importância cultural, além de preservar a receita original.

"A importância é defender determinado padrão e garantir a sua qualidade. No Brasil, essa prática não é tão frequente, mas existe na Europa desde o século 12."

Consumido pelos bandeirantes, que o levavam enrolado em lona - daí o nome "virado" -, o prato é servido em diversos restaurantes da cidade. No Sujinho, rivaliza com a famosa bisteca às segundas-feiras e custa R$ 25,50.

Segundo a coordenadora de Registros do Departamento de Patrimônio Imaterial do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Cláudia Vasques, a chance de o requerimento ser aprovado é pequena.

"Comidas nunca viram patrimônio imaterial, mas a cultura que envolve um grupo na sua produção, como aconteceu com as baianas do acarajé."

Gadelha, que nunca teve um pedido aceito, diz que o Conpresp não tem pessoal qualificado para analisar processos como esse. "Eles não têm antropólogos nem sociólogos."

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

UOL Mulher - Moda
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
Redação
Redação
Moda
Redação
Redação
do UOL
do UOL
do UOL
Redação
do UOL
do UOL
Redação
Redação
do UOL
UOL Estilo
Estilo
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Moda
do UOL
do UOL
Redação
Redação
Redação
UOL Estilo
Redação
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Moda
do UOL
Redação
Topo