Vida saudável

Americano que não sua passou por 50 médicos até receber diagnóstico correto

Arquivo Pessoal
O norte-americano Phillip Marisa, 25, é portador da doença de Fabry Imagem: Arquivo Pessoal

Carlos Oliveira

Colaboração para o UOL

24/04/2017 04h00

Uma doença rara impede Phillip Marisa, 25, de suar e o levou constantemente a consultórios médicos até a adolescência por conta de uma dor constante nas extremidades. “Eu sentia como se alguém estivesse martelando um bambu sem parar embaixo das minhas unhas. Isso fazia o ato de encostar em algo com as mãos ou os pés extremamente difícil”, relata, em depoimento ao UOL.

O norte-americano tem a doença de Fabry, que atinge uma em 40 mil pessoas no mundo, e afeta mais os homens.“Trata-se de uma condição genética, hereditária, relacionada a um gene no cromossomo X, caracterizada pela deficiência da enzima alfa galactosidase”, explica Filippo Pinto e Vairo, médico geneticista especialista pela SBGM (Sociedade Brasileira de Genética Médica). Phillip só foi diagnosticado aos 10 anos, após passar por mais de 50 médicos. Seu avô e tio-avô tiveram falha renal jovens, aos 35 anos, o que foi crucial para o diagnóstico -- ao todo, descobriram que 13 pessoas da família têm a doença. “Por um lado, foi um alívio finalmente entender o que causava a dor, porque então ela poderia ser tratada”, comenta.

Infância difícil

Quando criança, a reclusão tornou difícil a socialização para Phillip: “Não tive infância, na verdade. Passei muito tempo em clínicas, torcendo para a dor passar. Como eu não conseguia andar muito nem tinha tantos amigos, os videogames se tornaram a única maneira de lidar com a dor e a depressão”.

A dor nas extremidades diminuiu muito aos 18 anos, mas não suar ainda o impede de ter uma vida normal, já que sempre tem que tomar muito cuidado com o calor. “Suar é a forma de o corpo se resfriar, então eu sou fisicamente incapaz de fazer atividades cansativas que outras pessoas fazem com facilidade. Durante a primavera e o verão, passo a maior parte do tempo perto do ar-condicionado, já que é quente demais para eu sair”, diz.

Ele estudou administração de redes e investigação forense cibernética na faculdade e mantém um canal no YouTube dedicado a jogos online. “Todo dia eu olho para pessoas que não têm nada de errado, que não sabem como têm sorte de estarem apenas vivas e saudáveis. Me deixa transtornado elas não perceberem como são sortudas por não ter que sofrer como eu e muitos outros sofremos”, desabafa.

Tratamento

Aos 12 anos, Philip começou a reposição da enzima problemática, o que diminui os sintomas e melhora a qualidade de vida. Hoje ele recebe uma infusão na veia a cada duas semanas. “Sou da primeira geração de pacientes nesse tratamento que ainda não tiveram falha renal, então não sabemos se ele vai impedir as complicações mais para frente”, diz.

O remédio, Fabrazyne, custa ao menos US$ 200 mil por ano nos Estados Unidos em sua menor dose, de acordo com Phillip. “Isso não inclui contas médicas e exames. Tenho acompanhamento de um geneticista e médicos especializados em rim e coração. Também realizo periodicamente ressonâncias magnéticas, eletrocardiogramas e testes de urina. Sonho com o dia em que essa doença será curada, mas sei que isso não deve acontecer nas próximas décadas se não fizermos grandes avanços na tecnologia médica”, diz.

Doença apareceu na TV

O seriado "House", que leva à tela casos raros da medicina, retratou a doença no episódio “Epic Fail”. A deficiência causa acúmulo de um tipo específico de lipídio em diferentes órgãos e tecidos do corpo, principalmente nervos, cérebro, rins e coração, aumentando a chance de falência precoce dos órgãos. Os sintomas mais comuns são a presença de pequenas lesões vasculares vermelhas, principalmente na região do tronco, lábios, mãos, pés e genitais, chamadas angioqueratomas, além de uma alteração na parte anterior do olho, nomeada córnea verticilata.

“A doença de Fabry tem vários graus. Em casos graves pode causar hipertrofia ventricular, enrijecendo o coração e causando problemas como insuficiência cardíaca, aumentando risco de sofrer infartos e acidentes vasculares cerebrais”, explica a médica Andréa Lordsleem, do departamento de cardiologia do Hospital das Clínicas da UFPE (Universidade Federal de Pernambuco). Por ser genética, o componente familiar é importante e o casamento entre parentes pode ser potencializador. “Ainda não há perspectiva de cura porque é uma doença geneticamente transmitida, e essa terapia gênica não existe”, completa a cardiologista.

No Brasil

Não há números oficiais para a incidência da doença de Fabry no Brasil, mas existem em torno de 300 pessoas diagnosticadas, segundo cadastros em associações de pacientes e registros patrocinados pela indústria farmacêutica, de acordo com o geneticista Filippo Pinto e Vairo. “Sabemos que é uma doença subdiagnosticada, então certamente esse número é muito maior. Há alguns países oferecendo o diagnóstico pelo teste do pezinho, o que muda esse números para algo muito mais frequente”, ressalta o médico.

Para tratamento, há duas enzimas recombinantes aprovadas pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e uma medicação via oral, recentemente aprovada na Europa para um grupo de pacientes com alterações genéticas específicas. “Elas não são fornecidas pelo SUS [Serviço Único de Saúde], então os pacientes geralmente têm de entrar na Justiça para recebê-las”, lembra o médico.

A cardiologista Andréa Lordsleem diz que nem todo paciente precisa desses tratamentos: “Alguns não têm a doença completa e não precisam da reposição”, justifica. Os pacientes também costumam receber medicamentos para dor e anti-hipertensivos, que ajudam a preservar o rim.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Notícias
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo