Bichos de estimação

Seu cão come muito ou rápido demais? Saiba como ajudá-lo

Getty Images/damedeeso
Imagem: Getty Images/damedeeso

Patrícia Guimarães

Colaboração para o UOL, em São Paulo

10/05/2017 04h00

É bastante comum cães ficarem extremamente agitados nos momentos de refeição. Em alguns casos, a fixação dos bichinhos em torno da alimentação é tão grande que, mesmo satisfeitos, eles continuam comendo com tanta voracidade que chegam, até mesmo, a passar mal.

Para ajudar, investigue as causas

Os motivos que levam um animal a comer muito, ou rápido demais, no entanto, nem sempre são os mesmos. Para ajudá-los com mais segurança é necessário, antes de mais nada, descartar possibilidades clínicas. "Existem doenças que, em suas condições agudas ou crônicas, podem levar a um estímulo de alimentação mais voraz e de falta de saciedade", explica a médica veterinária Gisele Sprea, da Ethos Comportamento Animal e da Clinivet de Curitiba.

A doença hormonal chamada síndrome de Cushing, por exemplo, tem como uma das características o apetite insaciável e a ação muito rápida para comer.

As falhas dos donos na hora de alimentar o cão também pode levar o animal a ter um comportamento compulsivo seja por estar desnutrido ou por obesidade. Por esse motivo, é importante que o cão seja examinado para que só então seja avaliada a melhor maneira de ajudá-lo.

Outra razão para cães afoitos nas refeições é a ansiedade em torno da comida.  "A ansiedade tem um tratamento bastante amplo, porque é preciso tratar todos os aspectos, que incluem o manejo de vida do animal e todo o ambiente em que ele vive. E isso, indiretamente, também reflete no contexto de rotina familiar. Por isso a gente fala que o tratamento comportamental nunca é exclusivo do cão. É um tratamento da família. É preciso, às vezes, mudar alguns hábitos para fazer com que o cão viva bem", explica Gisele Sprea.

Aumente os passeios e fracione mais as porções

A falta de atividades diárias é um dos fatores que pode levar o animal a desenvolver estresse ou ansiedade. Se esse for o caso, uma das dicas é alimentar o cão várias vezes ao dia, em menor quantidade. "Vamos supor que o ideal para um cãozinho sejam 400g de ração por dia. A gente pode dar 200g pela manhã e 200g à noite. Mas se o cão for muito compulsivo por comida, essa quantidade pode ser dividida em porções servidas quatro vezes ao dia ou mais para que ele comece aprender a controlar a ansiedade", ensina o adestrador e especialista em comportamento canino Ricardo Tamborini.

Outra orientação do profissional é aumentar a quantidade de passeios durante o dia, o que ajuda a reduzir a ansiedade e, consequentemente, a compulsão pela comida. "O cãozinho precisa ter atividade tanto fora quanto dentro de casa. Os brinquedos também ajudam a a ansiedade, e o cão começa a se alimentar de uma forma mais natural, com mais lentidão", afirma Tamborini.

Impeça a competição entre filhotes

Em geral, os filhotes vivem durante algum tempo com os outros animais da ninhada e, por isso, criam o hábito de comer rápido a fim de estabelecer uma hierarquia diante dos demais. Para educar um cãozinho que passa por isso, o ideal é começar a trabalhar essa questão com o animal enquanto ele ainda é filhote, entre os dois e oito meses, como ensina a veterinária Gisele Sprea. "Se tem outros cães na casa, o ideal é que eles se alimentem no mesmo ambiente. E que um aceite a presença do outro; sem temer perder o alimento ou tornar a hora de comer uma competição. Quando o tutor percebe isso, ele deve estar presente para intermediar e evitar que haja essa concorrência."

 Segundo a profissional, algumas vezes é preciso até mesmo retirar e recolocar o comedouro diante do animal enquanto ele se alimenta. Mas tudo deve ser feito com acompanhamento e orientação, para evitar casos de agressividade.

Cuidado para não estimular a gula

A refeição do animal de estimação até pode ser servida no mesmo horário em que a família ou o tutor for se alimentar. Mas o cão deve sempre comer a comida ideal para ele. "O cão é guloso por natureza. Isso é uma característica da maioria dos animais. Então quando a gente oferece algum tipo de alimento diferente do que o cão está acostumado a comer, como, por exemplo, um bife ou uma refeição humana, isso se torna muito atrativo. E ele vai querer cada vez mais e mais. O tutor não pode incentivar isso, que pode levar a uma compulsão maior", explica Tamborini.

Experimente apetrechos para pets afoitos

Existem, no mercado, alguns comedouros especiais desenvolvidos para animais que comem rápido demais. Em geral, eles distribuem a ração de modo que o cão precisa enfrentar "obstáculos" para conseguir alcançá-la, o que torna o processo de ingestão mais lento. "Brinquedos educativos como, por exemplo, bolinhas em que a gente consegue colocar a ração dentro e que o furo de saída seja muito pequeno também ajudam o animal a aprender a comer aos pouquinhos", afirma Tamborini.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Casa e Decoração
do UOL
UOL Estilo
do UOL
Redação
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Redação
Folha de S. Paulo
Redação
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Redação
do UOL
Redação
UOL Estilo
do UOL
do UOL
Topo