Bichos de estimação

Luisa Mell perde cão-amigo de 14 anos. Como lidar com a morte de um pet

Do UOL

15/07/2017 18h13

Para muitos, a morte de um bichinho de estimação pode ser comparada a perda de um filho ou de um amigo. Neste sábado (15), a apresentadora Luisa Mell, militante da causa animal, perdeu Marley.

 

Ele se foi... 💔💔Que dor. #RIPMarley 2002/2017

Uma publicação compartilhada por Luisa mell (@luisamell)

em

 

Há meses, a saúde do cão da raça labrador se agravava e o cenário já não era de otimismo. Porém, Luisa sempre fez questão de mostrar em suas redes sociais como Marley recebeu carinhos e cuidados até o fim.

 

 

Ter um bicho de estimação é uma experiência amorosa intensa. “Por essa razão, quando um animal adoece e entra em fase terminal ou morre de repente, há uma desestruturação da organização familiar”, afirma a veterinária Ceres Berger Faraco, doutora em psicologia pela PUC (Pontifícia Universidade Católica) do Rio Grande do Sul e especialista em comportamento e bem-estar animal.

“O luto pela perda do animal não é reconhecido pela sociedade, o que pode ser confirmado pela falta de procedimentos oficiais após a morte. Não pode ser manifestado ou amparado. O respeito e apoio dos familiares e amigos são fundamentais para a elaboração do luto saudável”, afirma Joelma, que também atua como consultora do crematório Pet Memorial, em São Bernardo do Campo (SP).

O luto pela perda de um bichinho deve ser respeitado, mesmo por aqueles que não gostem de animais ou que não entendam o sentimento de um dono que acabou de perder seu pet.

Não são só os donos

E não são só os “pais” do animal que sentem esta dor da perda. Para os outros bichos da casa, o luto também existe e deve ser acompanhado com cuidado pelos donos.
Apesar de ser um conceito humano, os animais são mesmo capazes de sentir a ausência de um companheiro, como explica o veterinário Mauro Lantzman. "O luto é um processo cognitivo mais complexo. Mas podemos falar que o cão fica triste sim.”

Segundo os especialistas, o mais indicado é que o tutor tente dar mais atenção ao animal e respeitar o tempo até que ele se recupere plenamente. "É importante retomar a atividade natural, levar para passear, levar para tomar banho, interagir, levar a vida", explica Mauro.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Redação
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Casa e Decoração
do UOL
UOL Estilo
do UOL
Redação
do UOL
Topo