Bichos de estimação

Seu pet precisa de plano de saúde? Veja dicas para escolher a melhor opção

iStock
Imagem: iStock

Aretha Yarak

Colaboração para o UOL, em São Paulo

23/07/2017 04h00

Cuidar da saúde do seu bicho pode ser bem caro. Para evitar gastos inesperados e altos, uma saída é recorrer a planos de saúde veterinários. Eles funcionam de maneira parecida com os convênios humanos, mas não têm regras específicas. Por isso, é preciso pesquisar bem antes de escolher -- os procedimentos incluídos variam muito e, claro, os valores também: as mensalidades custam entre R$ 29 e R$ 370.

Há quase dois anos, a optometrista Viviane Ribeiro decidiu contratar um plano para seus cães, Zuko e Toph. Na época, Zuko teve a doença do carrapato e passou por consulta com especialista, exames e até ficou internado. “Precisei desembolsar um valor bem alto em pouco tempo”, comenta. Hoje ela paga R$ 60 por mês por bicho -- o valor inclui consultas, exames, vacinas e emergência na rede conveniada. “O acesso a veterinários especialistas ficou mais fácil, o que me deixa mais segura na hora de tratar algum problema. Acredito que eles passaram a ser mais bem atendidos”, diz.

Se você está pensando em contratar um convênio para seu cão ou gato, fique de olho nestes 4 fatores antes de assinar o contrato:

1. Verifique a rede conveniada

Esse é um dos principais pontos para levar em consideração. “Se você já tem um veterinário de confiança e quer continuar com ele, verifique se ele atende algum convênio ou mesmo peça indicações”, comenta Carla Berl, diretora do Hospital Veterinário Pet Care, de São Paulo. Planos mais caros tendem a ter rede conveniada mais ampla, especializada e com mais estrutura.

2. Veja o que o plano inclui

Como os planos não são regulamentados, há uma variedade enorme de pacotes, serviços e procedimentos. Alguns têm enfoque preventivo e cobrem serviços como checkups anuais, vacinas e até acupuntura. Outros, apenas atendimentos emergenciais. Uma dica é ligar de madrugada nas redes que têm atendimento 24 horas e checar o funcionamento. “Casos urgentes e entradas na emergência precisam de liberação a qualquer hora, alguns planos ainda apresentam falhas importantes nessa liberação noturna”, alerta Carla.

3. Contrate enquanto o bicho é saudável

Não espere o bicho ficar idoso ou desenvolver alguma doença crônica ou grave -- a maioria dos planos não cobre doenças preexistentes. Se o seu animal estiver em grupos de risco, considere ainda mais contratar logo um pacote. São eles: animais de saúde frágil, como cães de focinho achatado, e até mesmo casas com crianças, já que os pets podem engolir um brinquedo pequeno e precisar de cirurgia.

4. Fique atento à carência

Cada procedimento costuma ter um tempo específico de carência. Em alguns pacotes, o prazo para cirurgias chega a ser de seis meses. Avalie qual é a melhor opção de acordo com suas necessidades e objetivos.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

do UOL
Da Redação
do UOL
Casa e Decoração
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Da Redação
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Redação
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo