Estilo de vida

Após suspensão de alunas, meninos protestam com roupas femininas em colégio

do UOL, em São Paulo

21/08/2017 11h59

Um grupo de garotos americanos encontrou um jeito criativo de protestar contra o dress code sexista do colégio onde estudam. Tudo começou quando cerca de 50 garotas foram mandadas para casa no primeiro dia de aula deste semestre por usarem blusas que revelavam parcialmente o ombro.  Os colega, então, decidiram vestir as peças femininas que causaram discórdia.

De acordo com uma aluna da San Benito High School, na Califórnia, que falou ao site "Yahoo Style", a regra contra os tops ombro a ombro nunca existiu na escola. Eles, inclusive, aparecem em fotos do anuário de anos anteriores. A direção teria justificado que a proibição visava manter os alunos "seguros", mas a estudante reforçou que não acredita no argumento.

"Eu não entendo do que eles estão tentando nos proteger, manter seguros. Eu realmente não acho que haja alguém burro o suficiente para puxar uma blusa. Em primeiro lugar, ninguém tem o direito de me tocar ou tocar qualquer outra pessoa. Não tem motivo [a proibição]. Eles estão focando em coisas menos importantes aqui". 

O aluno Andrei Vladimirov falou ao "Huffington Post" que ele e os colegas decidiram vestir as peças em solidariedade às amigas. "Eu me senti ousado e subversivo, como se eu tivesse oprimido fisicamente algo que vejo como errado. Mas esta história não é sobre mim, é sobre aquelas que foram realmente afetadas pelas regras". 

Nas redes sociais da escola, outros alunos comentaram a posição da escola. "Ter regras para se vestir é ok, mas existe uma linha tênue entre a norma e a desculpa de que a regra existe para proteger as mulheres. Você esbarra na ideia de que é culpa da mulher a violência que ela sofre, por causa das roupas que ela veste", escreveu Carol Priest Capito. Já Karrie Geske afirmou: "Em vez de ensinar as meninas a cobrir seus corpos para ficarem 'seguras', ensinem os meninos a não objetificá-las!".

O aluno Bailey Scholl ainda disse: "Com todo o apoio que os meninos estão dando às meninas que têm que lidar com códigos tão rígidos para se vestir, parece que não somos nós que temos um problema com o jeito com que as meninas se vestem, mas, sim, os adultos, os professores".

Adrian Ramirez, diretor da escola, disse ao "Yahoo Style" que o protesto foi uma boa ideia. "Foi um ótimo processo para mim, como diretor, sentar e ouvir quais são as questões deles. Nós nunca culparíamos uma aluna por um aluno se distrair por algo que elas vestiram. Como [membros de uma] escola, nós estamos sempre olhando para trás e revisando como, consistentemente, nós lidamos com o dress code em sala de aula", disse.

O diretor ainda afirmou que ele discutirá como podem melhorar o código de conduta e vestimenta da escola na próxima reunião de professores. Ele ainda prometeu se encontrar com representantes discentes para conversar sobre as roupas na escola. "Já há alguns alunos interessados em fazer parte disso. O objetivo é garantir que eles sejam ouvidos e possam expressar suas opiniões e preocupações", disse.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Mais Estilo de vida

Topo