Estilo de vida

"Estava em processo de reabilitação e me sentia privilegiado"

Leo Muniz/Divulgação
Rodrigo Mendes fundou um instituto com seu nome para promover a educação inclusiva Imagem: Leo Muniz/Divulgação

Adriana Nogueira

Do UOL

21/09/2017 09h08

O administrador Rodrigo Mendes estava indo levar o irmão mais novo, de 13, ao treino de futebol quando o carro que dirigia foi abordado por assaltantes, na rua em que morava, em São Paulo.

Uma bala disparada por um deles lesionou as vértebras C3 e C4, deixando-o tetraplégico (sem movimentos dos ombros para baixo), aos 18 anos. Saía de cena o sonho de cursar medicina.

Ele conta que não teve tempo de sentir revolta nem tristeza. Na clínica de fisioterapia, na qual começou sua reabilitação, sentiu-se privilegiado, pelo acesso aos melhores tratamentos e pelo apoio. Sentiu necessidade de retribuir.

Nasci ali o embrião de uma trajetória que culminaria com a criação do Instituto Rodrigo Mendes, em 1994, organização sem fins lucrativos que tem como missão colaborar para que toda pessoa com deficiência tenha uma educação de qualidade na escola comum.

O reconhecimento pelo trabalho com educação inclusiva levou Mendes a palestrar no Fórum Econômico Mundial, em Tóquio, no fim de 2016. No evento, ele lançou a ideia de que, nos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2020, na capital japonesa, sejam usadas a mesma tocha e a mesma pira e, o mais importante, que a chama permaneça acesa entre as duas competições.

“Acender uma, apagar e depois acender a outra reforça a concepção que faz sentido separar as pessoas”, afirma ele.

No Dia Nacional da Luta das Pessoas com Deficiência, 21 de setembro, o UOL traz a história dele.

“Os primeiros meses depois do acidente [essa é a palavra que Rodrigo usa para se referir ao que aconteceu com ele] foram muito difíceis.

Foram de testar limites físicos, por isso não tive tempo de sentir tristeza ou revolta"

Três meses após o tiro, já estava em uma clínica de fisioterapia e, mesmo naquele contexto, eu me sentia privilegiado.

Estava tendo acesso aos melhores tratamentos, mas essa não era a realidade de todo mundo a minha volta. Lembro de um dia ver, na recepção da clínica, uma mãe chorando porque não tinha mais dinheiro para pagar o tratamento do filho.

Surgiram duas sensações muito fortes: um incômodo grande e uma necessidade de retribuir toda a ajuda que estava recebendo"

Foi aí que também comecei a pensar intensamente no que ia fazer dali por diante. Não dava mais para ser médico. Resolvi que tinha de ir para o campo social. Quatro anos depois da lesão, fundei o Instituto Rodrigo Mendes. No ano seguinte, comecei a graduação em administração, para buscar respaldo para tocá-lo.

O instituto começou com uma escola de artes para pessoas com deficiência. Mas escolas regulares começaram a nos ligar perguntando se dávamos cursos de educação inclusiva. Dessa demanda, surgiu o que somos hoje: um centro de produção de conhecimento sobre o assunto e de formação de educadores.”

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Mais Estilo de vida

Topo