Comportamento

Pesquisadora entrevistou cem estupradores. Suas descobertas são chocantes

Getty Images
Imagem: Getty Images

Daniela Carasco

do UOL, em São Paulo

29/09/2017 04h00

“Por que um homem comete crimes como esse?” Essa era a pergunta que não saía da cabeça da indiana Madhumita Pandey, doutoranda da Universidade Anglia Ruskin University, do Reino Unido, em 2013. O ano foi marcado por uma série de manifestações de mulheres na Índia, após um estupro coletivo chocar o país e o mundo, em dezembro de 2012. Na época com 22 anos -- um ano mais jovem que a vítima --, a estudante decidiu investigar o assunto de uma maneira audaciosa, entrevistando homens condenados por violência sexual.

Na ocasião, uma jovem chamada pela imprensa local de Nirbhaya (destemida, em hindi), foi violentada dentro de um ônibus na capital Nova Déli. Ela morreu duas semanas depois, em decorrência dos ferimentos. Os quatro homens envolvidos foram condenados à pena de morte.

“Decidi que queria buscar a resposta para a minha dúvida direto na fonte”, contou Pandey ao UOL. “Veículos do mundo todo apelidaram a cidade de ‘capital do estupro’”. Só em 2015, data do último levantamento realizado pelo Escritório Nacional de Registros de Crimes da Índia, 34.651 mulheres foram estupradas em seu país.

Tocada pelas barbaridades, ela começou sua pesquisa sobre violência sexual. Pandey entrevistou cem estupradores, nos últimos três anos. “Foi uma experiência incrível, enquanto pesquisadora, e um importante aprendizado de vida.”

Arquivo Pessoal
Madhumita Pandey Imagem: Arquivo Pessoal
“São homens comuns, não são monstros”

A primeira impressão que chocou a indiana foi a facilidade de conversar com os agressores, detidos na cadeira Tihar, de Nova Déli. Presidiários, segundo ela, são facilmente esquecidos durante a reclusão e mascarados pelo rótulo de criminosos, ficando fadados ao desprezo absoluto.

“Sempre acreditei na reabilitação e essa crença ficou ainda mais forte depois de entrar em contato com esses homens”, diz. “É importante lembrar que, apesar de terem cometido atos monstruosos, eles não são monstros, são parte da nossa cultura. E embora a gente sinta orgulho das nossas crenças, devemos questionar o tempo todo se nossas atitudes estão apoiando, mesmo que sutilmente, atitudes opressivas para as mulheres. Homens ainda estão aprendendo a ter falsas ideias sobre masculinidades e muitas mulheres ainda são ensinadas a serem submissas.”

"Estupradores são parte da nossa sociedade"

A pesquisa de Pandey revelou o que as estatísticas já mostravam: os abusadores sexuais costumam, em sua maioria, ser conhecidos das vítimas. Para ela, é importante perceber que os estupros não acontecem apenas em becos escuros depois da meia-noite e nem são praticados apenas por estranhos. "Eles não foram trazidos de outro mundo."

Depois de conversar com cada um deles, o que mais a chocou foi a sua iminência de compaixão. "Como mulher, isso não é o que a gente espera sentir por um agressor. Em alguns momentos, quase esqueci das barbaridades que haviam cometido." Segundo sua experiência, a maioria não acredita que praticou um estupro. Eles desconhecem o significado de consentimento.

Durante as entrevistas, muitos se desculparam pelo que fizeram ou tentaram justificar suas ações de alguma forma. “Existem muitas perspectivas, que vão de gratificação sexual a questões de poder. Devemos parar de procurar respostas gerais que justifiquem a violência sexual." Dos cem, apenas quatro se mostraram arrependidos.

A história mais marcante

Entre os relatos mais impactantes, está o do entrevistado nº 49, como prefere defini-lo. Ele foi condenado a 23 anos de prisão -- sentença dada em 2010 --, por violar uma menina de 5 anos, a quem se refere como uma “garota provocativa”.

“Ela me tocou de uma forma inadequada durante os meus afazeres [como faxineiro de um templo] e achei que deveria lhe dar uma lição. A mãe dela também é assim, tem um caráter questionável”, ouviu do rapaz. A culpabilização das vítimas foi fenômeno muito recorrente nas narrativas dos infratores.

Como se os detalhes não fossem perturbadores o bastante, Pandey ainda se deparou com outro fato inquietante. “Ele demonstrou remorso, chegou a dizer: 'Me sinto mal, agora ela já não é mais virgem e ninguém vai querer se casar com ela'. Em seguida, disse que poderia compensar suas ações casando-se com a vítima após sua liberdade.” Em alguns países como Malásia e Turquia, o estuprador pode ter sua punição anulada ao se casar com a vítima. Isso foi possível inclusive no Brasil até 2005.

O cerne da mudança está na educação sexual

O resultado completo da pesquisa de Pandey só será divulgado no próximo ano. Ela adianta, porém, que já é possível tirar algumas conclusões contundentes sobre o assunto. “Ainda existe um problema grave quanto à compreensão de consentimento por parte dos agressores e é bastante sério o estigma em torno da educação sexual”, diz. A maioria dos entrevistados desistiu dos estudos na terceira ou quarta série. Pouquíssimos chegaram a completar o ensino médio.

Para ela, crianças devem receber na escola informações que as preparem para uma vida sexual segura na idade adulta. “Em casa e nas instituições de ensino, dois ambientes fundamentais para a construção de comportamentos, é preciso haver discussões abertas sobre sexo. A educação tem papel vital na prevenção da violência sexual.”
 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Blog do Fred Mattos
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Astrologia S/A
do UOL
Redação
Redação
Redação
BBC
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
BBC
BBC
do UOL
Redação
Redação
Topo