Estilo de vida

Conheça Juliana Luna, a ativista que ajuda mulheres negras através da moda

Reprodução/ Instagram
Imagem: Reprodução/ Instagram

Helena Bertho

do UOL

10/10/2017 04h00

A carioca Juliana Luna, 30 anos, morou em vários países, é formada em Dança e vem se tornando uma das ativistas negras mais respeitadas do país. Há quatro anos, conheceu pessoalmente Nelson Mandela e Barack Obama e o impacto de estar diante destes grandes líderes fez com que decidisse partir em busca de seu verdadeiro propósito: empoderar mulheres negras e combater o racismo.

Juliana usa a moda como o instrumento para isso. Através da plataforma Project Tribe, criou uma rede na qual mulheres negras postam fotos usando turbantes - um dos elementos mais fortes da cultura afro. O trabalho fez sucesso e a colocou na lista das 10 brasileiras mais influentes do Instagram, segundo o site Fashionista.      

A caminhada de Luna

  • 2011 a 2013: Deu aulas de dança para mulheres vítimas de violência, em Nova York
  • 2013: Conheceu Nelson Mandela e Barack Obama e criou a plataforma Project Tribe
  • 2015: Foi em busca de suas origens na Nigéria
  • 2016: Criou Yemisi, através do qual incentiva mulheres a buscarem o bem-estar e o autocuidado

Biografia rápida de Luna

  • Juliana teve uma infância nômade graças à carreira do pai, que era químico industrial. Passou a infância na Bolívia, no Chile, na Argentina e na África do Sul até voltar para o Brasil, aos 12 anos. Aos 18, se mudou para Nova York, com seu então namorado -- nas mãos de quem sofreu violência doméstica. Após sair dessa relação abusiva, conseguiu se recuperar através de terapia em grupo e da dança, e passou a dar aulas de dança para outras mulheres vítimas de violência por lá. Conheceu então Ndaba Mandela, neto de Nelson Mandela, com quem começou a namorar e que lhe deu a oportunidade de conhecer o líder sul-africano. Em 2015  foi à Nigéria e conheceu a tribo Yorubá, da qual é descendente. Desde então dedica sua vida a ajudar outras mulheres negras a encontrarem sua identidade e ancestralidade. 

Quem ela impacta

  • Com seus turbantes, projetos artísticos e cursos, Luna inspira e apoia mulheres negras na busca pela identidade e autoaceitação. 

Hoje Luna atua também com bem-estar, incentivando outras mulheres a buscarem o autocuidado. Através de aulas e vídeos sobre ioga e alimentação saudável, ela quer que outras consigam cuidar de seus traumas para poder impactar a sociedade e as pessoas ao seu redor.

Nós, afro-brasileiros, olhamos para trás e vemos um vazio. Não tem registro, não tem nada. Se você não tem identidade, você não vê oportunidade, não vê futuro. Tem um provérbio africano que diz: 'aquele que olha para trás e vê seus antepassados, olha para frente e vê como seu futuro é'.


 

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Mais Estilo de vida

Topo