Estilo de vida

Supermercado usa perucas afro na Black Friday e é acusado de racismo

Cristiane Guterres
Unidade do Extra usou perucas afro em funcionários durante Black Friday Imagem: Cristiane Guterres

Denise de Almeida

Do UOL

24/11/2017 17h28

Para promover a Black Friday, um supermercado de São Paulo fantasiou parte de seus funcionários com perucas afro, no estilo Black Power. O flagra da foto acima foi feito pela jornalista Cristiane Guterres, que publicou a imagem em seu Facebook, junto a uma nota de repúdio, acusando a atitude de racista.

"Não somos fantasia. Caricaturar pessoas negras é mais uma ferramenta de opressão. Estas atitudes são abusivas e nos ridicularizam", aponta Cristiane, que presenciou a ação nesta sexta (24) no Supermercado Extra da rua Frei Caneca, no bairro da Consolação, em São Paulo.

Em entrevista exclusiva ao UOL, ela questionou o fato da peruca black ser usada para fazer graça. "No momento em que a gente está, em que agora nós negros temos voz, estamos falando o que é legal e o que não é. O Extra está usando uma peruca como uma forma de tornar aquilo mais divertido, mais engraçado. Só que engraçado para quem? Desde quando esse cabelo é engraçado?".

Veja também

Na mensagem publicada em seu Facebook, a jornalista bateu na mesma tecla "Tenho certeza que não é nem um pouco engraçado para mulheres que, assim como eu, já ficaram ou estão carecas de tanto passar alisante no cabelo porque ouvimos a vida toda que o nosso cabelo era feio, sujo e parecia Bombril".

Respondendo a alguns comentários que discordavam dela e apontavam que poderia ser uma peruca de qualquer cor, Cristiane afirma: "Ninguém ri de uma pessoa por ter cabelo liso, mas fazem isso com quem tem cabelo crespo. Essa é a diferença. Blackface é racismo. E usar uma peruca ou se fantasiar de negro para tirar uma graça disso também é racismo".

À reportagem, Cristiane contou que ficou muito ofendida ao avistar a cena. "Minha infância foi muito dolorida por causa da questão do cabelo. A lembrança que sempre vem é de uma menina negra que se acha feia, com cabelo feio, porque era o que as pessoas me diziam".

Cristiane ainda explica que fez questão de borrar o rosto dos funcionários da imagem na publicação, porque entende que a culpa não é deles. "Eles estão seguindo uma ordem", acredita.

Procurado, o Grupo Pão de Açúcar, responsável pela marca Extra, enviou um comunicado oficial, que afirma: "O Extra esclarece que não houve qualquer orientação para a iniciativa retratada e que o caso apontado foi uma ação particular e pontual ocorrida em uma de suas unidades. Assim que tomou conhecimento, solicitou sua interrupção imediata. A loja lamenta pelo ocorrido e desculpa-se por qualquer ofensa causada. A rede reitera que segue diretriz estratégica da companhia para uma conduta de combate a todo e qualquer tipo de discriminação, promovendo a inclusão de todos os públicos em seu conceito mais amplo".

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Mais Estilo de vida

Topo