Bichos de estimação

Cães e gatos exigem cuidados extras no calor. Conheça os principais

iStock
Na época de calor, é preciso trocar a água do animal com mais frequência, várias vezes ao dia Imagem: iStock

Letícia Rós e Rita Trevisan

Colaboração com o UOL

01/01/2018 04h00

Queimaduras, dermatites, infestações por pulgas e carrapatos, desidratação e desconforto gastrointestinal estão no topo da lista de problemas que atingem os pets na estação mais quente do ano. Mas é possível prevenir todos esses desconfortos, para garantir férias e festas sem imprevistos – e emergências veterinárias. Saiba como.

De olho no relógio

Um dos cuidados mais importantes é evitar a exposição do cão ou gato ao sol, principalmente nos horários em que a radiação é maior, entre 10h e 16h. O ideal é passear com eles logo no começo da manhã ou ao fim do dia. Mesmo nessas ocasiões, é interessante proteger as patas do animal, para evitar que ele tenha contato com o solo, o que pode causar queimaduras.

Hidratação, sempre

Na época de calor, é preciso trocar a água do animal com mais frequência, várias vezes ao dia, não só para eliminar as possíveis sujidades, mas para oferecer o líquido mais fresco. Dar ração úmida ao gato, além da seca, também ajudará a mantê-lo hidratado.

Veja também

Acerte na tosa

Consulte o seu veterinário sobre a possibilidade de tosar o animal. A indicação de baixar ou não os pelos pode variar de um tipo de pet para outro, e também por conta da raça. Alguns animais estão mais sujeitos a queimaduras solares e, para eles, os pelos representam uma proteção extra. No entanto, com menos pelos, é possível fazer um controle melhor da infestação de parasitas e até de lesões de pele, que também são comuns no verão. Daí a importância de ver com o médico qual é a melhor alternativa para o seu animal.

Mais conforto para o pet

Mesmo dentro de casa, é importante observar se o pet está confortável. O ideal é que ele passe a maior parte do dia em locais amplos, abertos ou com boa ventilação. Se necessário, ligue o ventilador ou o ar-condicionado em uma temperatura mais branda. No caso dos gatos, se estiverem fora de casa, acompanhando a família em uma viagem, por exemplo, é fundamental que a caixa de areia, a ração e a água fiquem em um local afastado da agitação. Caso contrário, eles resistirão a fazer suas necessidades e até a alimentar-se. Para aumentar ainda mais o bem-estar dos pets, há disponíveis, no mercado, tapetes e coletes gelados, que ajudam a diminuir a temperatura corporal. Porém, é importante consultar o veterinário que acompanha o seu animal antes de utilizar o acessório.

Alimentação regrada

Assim como os humanos, os pets também podem sofrer de desconfortos gastrointestinais se receberem uma alimentação inadequada. Então, é preciso resistir à tentação de dividir com eles todas as guloseimas das festas e férias, até para que mantenham o interesse pela ração, que oferece a quantidade certa de nutrientes para cada animal.

Cuidado com a água

O contato com a água, durante brincadeiras ao ar-livre, ou mesmo a prática de exercícios pode fazer com que o animal fique com o pelo molhado. O que aumenta muito o risco de dermatites, já que os microrganismos aproveitam esse ambiente quente e úmido para a proliferação. Para passar bem longe desses riscos, observe a pelagem do pet e seque-o com o secador, em temperatura branda e a uma certa distância dos pelos, sempre que necessário.

Medicamentos preventivos

Para evitar complicações, é interessante passar por uma consulta com o veterinário e verificar se o animal está com a vacinação e a vermifugação em dia. Os especialistas também indicam que o pet seja tratado com um antipulgas preventivo pois, nessa época do ano, aumenta o risco de infestação por parasitas, ainda mais se o pet circular por regiões de campo ou praia.

Sinais de alerta

Alguns sintomas indicam que o animal já está sofrendo os efeitos do calor excessivo e precisa de um atendimento médico. Nos cães, a situação é preocupante quando eles ficam com a língua de lado, caída, com respiração difícil e ofegante, excesso de salivação e andar cambaleante. Também é preciso investigar quadros de vômito e diarreia, principalmente quando o pet fica prostrado. Nos gatos, os sinais de alerta são permanecer com a boca aberta por muito tempo, manifestar fraqueza excessiva, ficar com a respiração ofegante ou se lamber sem parar – o que pode indicar que o animal está tentando se refrescar com a própria saliva.

Fontes: Salua Carolina Cataneo, médica veterinária dermatóloga, coordenadora da linha veterinária da Pet Society. Daniela Brecht, médica veterinária do Hospital Veterinário Amizade. Raphael Hamaoui, médico veterinário do Hospital Veterinário Cães e Gatos 24h. Karine Raile, médica veterinária da Cobasi. Carolina Rocha, médica veterinária e fundadora da Pet Anjo. Ricardo Cabral, veterinário da Virbac.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Da Redação
do UOL
Casa e Decoração
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Da Redação
do UOL
do UOL
Topo