Estilo de vida

Saiba quem são as ativistas que foram ao Globo de Ouro ao lado das atrizes

do UOL

08/01/2018 16h11

A cerimônia da 75ª edição do Globo de Ouro foi realmente uma grande noite para as mulheres. Discursos empoderados, manifestações contra o assédio e uma enorme união de mulheres no movimento Time´s Up foram alguns dos destaques da noite. Mas outro ponto que brilhou no red carpet foi a presença de ativistas pelos direitos das mulheres ao lado das atrizes mais famosas.

Meryl Streep, Emma Watson e Michelle Willians foram algumas das celebridades que cederam um pouco do seu espaço de fama para as ativistas. Aqui, contamos um pouco mais sobre cada uma delas. 

Getty Images
Marai Larasi com a atriz Emma Watson Imagem: Getty Images
Marai Larasi

Atua há 23 anos no combate à violência contra a mulher. É diretora do Inkaam, uma organização britânica que combate a violência contra as mulheres negras e de minorias étnicas e atua em parceria com a ONU. Ela é também diretora da coalização de organizações do Reino Unido que lutam para combater a violência contras as mulheres, a Coalização para Acabar com a Violência contra a Mulher.

Existe um muro de silêncio ao redor da violência contra mulheres e meninas e, toda vez que alguém fala, é criado uma pequena rachadura nesse muro

Getty Images
Loung Ung e Angelina Jolie Imagem: Getty Images
Loung Ung

De descendência cambojana, Loung é uma sobrevivente e ativista pelos direitos humanos. Ela nasceu no Camboja, mas fugiu de lá aos dez anos de idade, sobrevivendo ao genocídio cometido pelos seguidores do Partido Comunista. Ela publicou dois livros em que relata suas experiências. Desde 1997 atua como porta-voz em campanhas contra o uso de minas terrestres.

 

Getty Images
Ai-jen Poo co Meryl Streep Imagem: Getty Images
Ai-jen Poo

Filha de taiwaneses, Ai-jen Poo é ativista de movimentos sociais desde muito cedo. Apesar de não ser uma trabalhadora doméstica, desde 1996 ela organiza as mulheres da classe, inicialmente dentro das comunidades asiáticas nos Estados Unidos. Foi uma das fundadoras da organização Trabalhadoras Domésticas Unidas, organização que ajudou a passar a lei dos direitos das trabalhadoras domésticas no estado de Nova York, a primeira no país a garantir direitos trabalhistas para elas. Já foi eleita uma das 100 pessoas mais influentes da revista Time.

Todo trabalho tem valor, todas podemos viver com dignidade e esse é o futuro

Getty Images
Emma Stone e Billie Jean King Imagem: Getty Images
Billie Jean King

Ex-tenista norte-americana, consagrada nos anos 70, acumula mais de 120 títulos em sua carreira. A partida de tênis mais famosa que jogou foi em 1973, a Batalha dos Sexos, quando venceu Bobby Riggs. Atualmente ela luta ativamente pelo fim do sexismo nos esportes. Em 2009 recebeu de Barack Obama a Medalhe da Liberdade, uma das mais altas honrarias do país.

 

Getty Images
Tarana Burke e Michelle Williams Imagem: Getty Images
Tarana Burke

Criou em 2006 a organização Just  Be  Inc, para oferecer apoio a vítimas de abuso sexual. Na mesma época, lançou a campanha Me Too para aumentar a conscientização em relação ao tema, que acabou virando em 2017 o enorme movimento #MeToo de relatos nas redes sociais. É diretora também da ONG Girls for Gender  Equality, que oferece programas e aulas para meninas negras se desenvolverem.

 

Esse momento é tão poderoso. É a colisão de dois mundos que normalmente não se encontram

Getty Images
Rosa Clemente com a atriz Susan Sarandon Imagem: Getty Images
Rosa Clemente

Foi candidata à vice-presidência dos Estados Unidos ao lado de Cynthia McKinney em 2008. Mas seu trabalho social é bem anterior à carreira política. Ela dedicou sua carreira acadêmica aos estudos das dificuldades políticas encaradas pela população negra e latina no país, criou a primeira convenção política nacional de Hip Hop e dedica a vida ao ativismo ligado ao racismo, direitos humanos, hip hop e direitos das mulheres. Atua também como jornalista.

Getty Images
Monica Ramirez com a atriz Laura Dern Imagem: Getty Images
Monica Ramirez

Presidente da Aliança Nacional de Camponesas dos Estados Unidos, ela se dedica ao combate da desigualdade e da violência de gênero que atinge principalmente trabalhadoras rurais, mulheres latinas e imigrantes.

 

 

 

Getty Images
Atriz Shailene Woodley com Calina Lawrence Imagem: Getty Images
Calina Lawrence

Membro da tribo Squamish, Calina é uma cantora que dedica sua arte para o ativismo contra o preconceito direcionado aos povos nativos dos Estados Unidos. Ela é formada na Universidade de San Francisco em artes performativas e justiça social e se define como uma "art-ivist" (arte-vista, em tradução livre).

 

 

Getty Images
Amy Poehler e Saru Jayaraman Imagem: Getty Images
Saru Jayaraman

Americana, filha de pais indianos, Saru é advogada, escritora e ativista pelos direitos das trabalhadoras de restaurantes em Los Angeles. É fundadora da ONG Restaurant Opportunities, que advoga por melhores condições de trabalho e melhores salários para os trabalhadores. Em 1992 ela criou a ONG Mulheres e Jovens apoiando umas às outras que ajuda no empoderamento feminino com recursos e suporte. Saru é também escritora e tem dois livros publicados.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Mais Estilo de vida

Topo