Estilo de vida

'Juntei meu primeiro milhão aos 32 e, aos 33, já poderei viver de renda'

Divulgação
Nathalia Arcuri juntou o primeiro milhão aos 32 anos; a jornalista é o nome por trás do blog e canal "Me Poupe" Imagem: Divulgação

Daniela Carasco

do UOL, em São Paulo

01/02/2018 04h00

Poupadora por opção e especialista em finanças por vocação, é assim que a jornalista Nathalia Arcuri, 32, define-se. Nome por trás do blog e canal “Me Poupe”, no Youtube, ela foi capaz de atrair uma legião de seguidores –já passam do 1,2 milhão–, interessados no que ela faz de melhor: poupar dinheiro. Talento que se comprova com muitos dígitos na conta. No ano passado, em meio à crise econômica que impera no país, ela comemorou publicamente o seu primeiro milhão, um passo importante para a tão sonhada independência financeira, que, segundo ela, já vem neste ano.

“O brasileiro ainda tem muito medo de falar o quanto ganha, de tocar no assunto dinheiro”, diz. “Dinheiro não é pecado.” Por isso, se tem algo que ela não poupa é a exposição das próprias cifras. “Em 2015, tinha R$ 150 mil investidos. Quando completar 33 anos, segundo meu planejamento, chego aos R$ 5 milhões aplicados, que me permitirão viver de renda se eu quiser. Fora isso, tenho ainda carro e apartamento comprados à vista.”

Veja também:

O crescimento financeiro se tornou ainda maior à medida que o sucesso do “Me Poupe” aumentava. Hoje, ela se divide entre blog, canal de vídeos e programa de rádio. Mas, em breve, promete o lançamento de um programa de TV, livro e cursos. “É importante dizer que ouvi muito não para chegar até aqui”, fala. A verdade é que Nathalia sempre foi incansável.

Quando tudo começou

Os números são altos, motivam quem acompanha cada novo vídeo do canal, mas não aconteceram de uma hora para outra. O empenho para alcançá-los vem desde a infância. Aos sete anos, uma colega da escola contou a ela que o pai fizera uma poupança em seu nome, para que, aos 18, pudesse comprar um carro. Impressionada, Nathalia tratou de questionar os próprios pais sobre a sua. Recebeu como resposta um balde de água fria.

“Meu pai me disse que eu teria de correr atrás dos meus desejos por conta própria. Não me daria nada”, conta. Filha de um engenheiro civil e de uma dona de casa, Nathalia é a irmã do meio de um total de três e viveu uma vida de classe média. “Mas a gente nunca teve tudo o que queria. Nunca ganhei mesada, por exemplo”, diz. A solução foi começar a juntar o que sobrava do lanche no clássico cofrinho, pedir dinheiro como presente e vender bijuteria para as amigas.

As economias cresceram de fato aos 15, quando foi convidada para gravar um comercial de TV. “Comecei um curso de teatro e, até os 18 anos, peguei vários trabalhos, com cachês que variavam entre R$ 300 e R$ 1.000. Isso deu uma boa turbinada na minha poupança”, relembra. “Juntei R$ 6.800. Era dinheiro suficiente para comprar um bugue, já que o meu tão sonhado Escort vermelho e conversível era bem mais caro.” Por sorte, a madrinha acabou lhe presenteando com o carro, e ela pode investir seu primeiro montante poupado. O próximo passo era comprar o primeiro imóvel.

Planejar, planejar, planejar e... Negociar

O desejo de se formar médica foi trocado pelo diploma de jornalismo. Uma profissão bem menos rentável. Mas isso nunca foi um problema. “Logo de cara, percebi que ganharia muito pouco fazendo estágio. Então, nos primeiros dois anos de faculdade, eu me dediquei a ganhar dinheiro como promotora de eventos. O fato de ser bilíngue ajudou bastante. Sempre tive a certeza de que ter dinheiro dependia só de mim”, conta. No penúltimo ano do curso, conseguiu uma vaga de repórter no SBT.

Em 2006, ela entrou ganhando R$ 2.800. Até 2015, quando decidiu se dedicar exclusivamente ao “Me Poupe”, mudou de empresa –foi contratada como repórter na Record-- e recebeu seis aumentos. “Saí ganhando 13 mil”, conta. O segredo? Negociar. “Renegociei meu salário todo ano. Pedia no mínimo a inflação de aumento. Recebi todos. Ninguém nos dá nada se a gente não pedir.”

Mas, para provar que merecia, foi estrategista. “Eu me fazia sempre presente, produzia mais do que esperavam de mim, gerava relatório do quanto minhas matérias faziam crescer a audiência do canal e propunha novidades. Isso é o que eu chamo de empreender dentro do ambiente de trabalho.”

Divulgação
Imagem: Divulgação
“Só o empreendedorismo é capaz de enriquecer uma pessoa”

Segundo Nathalia, empreender é, sim, para todos. E vale tanto para quem planeja abrir um novo negócio, quanto para quem é funcionário. “Um empreendedor é aquele que gera valor para a empresa, seja ele dono ou não dela”, diz. “Para isso, tem de ser uma pessoa que colabora, faz mais do que esperam dela e dá novas ideias sempre. Fiz isso por onde passei e, consequentemente, consegui ganhar sempre mais.”

Para isso, porém, ela alerta que é preciso deixar de ser imediatista. Entre os seus maiores trunfos para chegar ao um milhão, destaca, a paciência. “Sempre estipulei um tempo para as coisas acontecerem, estabeleci muitas metas e desenvolvi estratégia para cada uma delas. Checava cada uma diariamente”, conta. “Fora isso, fui muito cara de pau e insistente. Quando comecei o ‘Me Poupe’, trabalhava sozinha, mas dizia sempre ‘a gente’ na hora de fechar negócios, para parecer grande. Pedi muita permuta, sem medo. Tentar é fundamental. O que não pode é se sabotar por medo de receber um ‘não’.”

Pão duro?

“Fui chamada assim a vida inteira, mas isso tudo é inveja de quem é incapaz de conseguir o mesmo que eu”, rebate. “Pão duro é aquele que deixa de fazer o que gosta só para guardar dinheiro. Fiz o contrário. Guardei dinheiro para fazer o que eu gosto.”

Na sua lista de prioridades sempre estiveram viajar todo ano, ter carro e casa quitados à vista, fazer as unhas toda semana –“não tenho habilidade nenhuma para fazê-las em casa”--, frequentar bons restaurantes e ter empregada doméstica. E, assim que chegar aos R$ 5 milhões, pretende viajar só de primeira classe, andar de helicóptero –“odeio trânsito”– e comprar uma nova casa. A primeira veio aos 29 anos, após uma separação. “Nunca deixei de fazer nada do que queria, só estabeleci prioridades.”

Os segredos de Nathalia para chegar ao primeiro um milhão

  • Viver apenas com 30% do salário e aplicar o restante assim que ele cair na conta. À medida que crescia na carreira, a fração aumentava. “Se, no início, 70% eram R$ 1.200, agora são R$ 12 mil.”
  • Apostar nos altos rendimentos dos investimentos financeiros.
  • Dizer muito “não” para si mesma antes de gastar dinheiro com o que não é prioridade.
  • Comprar roupas duas vezes ao ano, em épocas de liquidação. Brechós, 25 de março e a região da José Paulino, em São Paulo, são seus destinos preferidos.
  • Comprar a maioria dos produtos em uma única loja, para tentar um preço de atacado.
  • Chorar sempre por desconto.
  • Priorizar o cartão de crédito para acúmulo de pontos que viram benefícios. Só pagar em dinheiro, quando tiver desconto.
  • Pedir aumento.
  • Ter sempre um segundo plano engatilhado para qualquer imprevisto.
  • Nunca dizer um “sim” de imediato. Pesquisar e negociar é fundamental.
  • Economizar no dia a dia: parar o carro na rua, fazer a própria maquiagem e cabelo para festas, depilar em casa.
  • Estabelecer limite de gastos para presentes. Ela gasta, no máximo, R$ 100 em aniversários. No Natal, o valor cai para R$ 60.
  • Transformar tudo em meta.

As dicas de Nathalia para quem quer juntar um milhão

  • Faça sempre três perguntas antes de qualquer compra. Dá para fazer de graça? Dá para pagar mais barato ou pegar emprestado? Dá para esperar um pouco mais? Só compre se a resposta for negativa para os três.
  • Perca o medo de investimentos. Poupança é o caminho mais simples, mas também o menos rentável. Comece pelo Tesouro Direto, que permite investir a partir de R$ 30. Para isso, use uma corretora de valores.
  • Não confie em você. Quando o dinheiro cai na conta, ele deve imediatamente desaparecer de lá, antes que seja gasto. Viva apenas com a reserva planejada.
  • Evite pagar mais caro, só porque é mais cômodo. Não subestime nenhum centavo.
  • Comemore cada um real de rendimento.
  • Conta conjunta é uma cilada. Evite!
  • Não deixe de fazer nada do que deseja, mas tente encontrar alternativas mais baratas.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Mais Estilo de vida

Topo