Diversidade

Coletivos negros investigam fraudes em uso de cotas do vestibular da USP

Reprodução/Facebook
Campanha contra fraudes no sistema de cotas da USP, feita por coletivo do campus de Ribeirão Preto Imagem: Reprodução/Facebook

Chico Felitti

Do UOL

20/02/2018 04h00

Coletivos negros formados dentro da Universidade de São Paulo estão reunindo informações para denunciar possíveis fraudes no vestibular da maior universidade brasileira, que em 2018 reservou, pela primeira vez, vagas para um grupo que chamou de PPI: pretos, pardos e indígenas.

“São inúmeras as denúncias de fraudes nas cotas raciais, em que pessoas brancas têm se auto-declarado negras para roubarem nossas vagas na universidade”, escreveu o coletivo Negro USP Ribeirão Preto em entrevista ao UOL.

O grupo afirma ter acompanhado de perto a calourada do campus no interior, que oferece cursos como medicina e fisioterapia.“Já identificamos muitas potenciais fraudes no sistema de cotas e todos os dias recebemos várias denúncias.”

“O desafio agora é organizar esses dados para tomar medidas efetivas, mas as dificuldades são muitas.” Uma delas é que a lista de selecionados pela Fuvest não mostra quais aprovados foram enquadrados nas vagas reservadas para PPI.

O grupo de Ribeirão Preto ainda começou uma campanha nas redes sociais para colher assinaturas e pressionar a universidade a apurar suas denúncias, quando forem feitas. “Nós precisamos do apoio de todos para recolher o máximo de denúncias, para pressionar a USP a averiguar as possíveis fraudes nos seus sistemas de ingresso.”

Além das possíveis fraudes no uso do sistema de cotas, o coletivo afirma que houve um caso de racismo durante o trote. O grupo diz que um calouro de Medicina usou tinta preta sobre sua pele branca (prática conhecida como “blackface”) e desenhou em si um pênis negro gigante durante a comemoração com veteranos.

Em São Paulo

A investigação de possíveis fraudes foi discutida com antecedência. Representantes de diversos grupos de São Paulo se encontraram em janeiro na Biblioteca Mário de Andrade, no centro, para discutir como abordariam a possibilidade de fraude.

Um dos métodos aventados, em reunião acompanhada pelo UOL, foi fotografar todos os calouros no momento da matrícula na USP, para depois levantar quais haviam se valido do sistema de vagas reservadas para entrar na faculdade.

A ideia, entretanto, parece não ter sido colocada em prática. A reportagem acompanhou a confirmação da matrícula dos calouros, na quinta (15) e na sexta (16), em escolas como a Poli (de engenharia), a FEA (de economia e de administração) e a Faculdade de Direito da USP. Não havia fotógrafos dos grupos em nenhuma das recepções, com exceção de pais e parentes que faziam retratos dos seus filhos pintados e de cabelos raspados.

USP Não se Pronuncia

O vestibular de 2018 da USP foi o primeiro a usar um sistema de cotas que crescerá gradualmente. Neste ano, 37% das vagas de graduação foram reservadas para alunos do ensino público. É de dentro dessa cota para a rede pública que são reservadas as vagas para PPI --elas representam o percentual da população preta, parda e indígena no Estado de São Paulo, segundo o IBGE. O número de vagas para PPI ficou em torno de 12% do total.

Até 2021, metade das vagas de cada curso deverá se destinar a alunos vindos de escolas públicas, aumentando também o número de vagas para PPIs.

Procurada para comentar as afirmações dos coletivos negros, a USP não se pronunciou até a publicação desta matéria.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

EFE
Da Universa
EFE
BBC
Da Universa
DW
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
DW

DW

Ministro quer proibir "cura gay" na Alemanha

O ministro da saúde da Alemanha, Jens Spahn, quer proibir as chamadas terapias de conversão sexual no país. "Homossexualidade não é doença, portanto não é adequado que haja terapia para ela", afirmou o ministro ao jornal alemão TAZ. "Eu não acredito nessas terapias, até por causa da minha própria homossexualidade. Eu digo sempre que Deus deve ter tido os seus motivos", afirmou Spahn, um dos principais líderes da ala direita do partido conservador União Democrata Cristã (CDU) e um crítico interno da chanceler federal Angela Merkel. Ele anunciou que irá trabalhar com a ministra da Justiça, Katarina Barley, do Partido Social-Democrata (SPD), para chegar a um rascunho de projeto de lei até meados do ano. A lei deve ser a mais ampla possível, válida para os menores de idade e "clara o suficiente para que seja eficaz", afirmou Spahn. Barley afirmou que a homossexualidade é tão normal quanto a heterossexualidade e supostas terapias que têm como objetivo "converter" gays e lésbicas em heterossexuais ofendem a dignidade humana. Para a elaboração da proposta de lei, a Fundação Federal Magnus Hirschfeld, voltada ao combate à discriminação dos homossexuais, conduzirá um estudo para reunir material sobre como outros países estão combatendo legalmente a prática. Em alguns países, a chamada "cura gay" já é proibida, como é o caso de Israel, Equador e Malta e de alguns estados nos Estados Unidos. Para o ministro, deve haver punições profissionais para quem oferece esse tipo de "terapia", além de multa. Uma proposta de 500 euros de punição, apresentada pelo Partido Verde, foi rejeitada por Spahn por ser muito leve.

Da Universa
Blog Flávia Durante
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
EFE
Da Universa
Blog da Morango
Da Universa
Da Universa
Bloomberg
AFP
Da Universa
Da Universa
BBC
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
EFE
DW

DW

Colônia vai ganhar semáforos LGBT durante Parada Gay local

Por ocasião da parada gay de Colônia, no oeste da Alemanha, a prefeitura da cidade vai instalar temporariamente 20 semáforos para pedestres que representam casais do mesmo sexo, afirmou um porta-voz à imprensa local nesta terça-feira (12). A parada gay de Colônia, uma das maiores da Europa, é celebrada no Christopher Street Day (CSD), que neste ano cai em 7 de julho. A cidade pretende instalar os semáforos LGBT temporariamente ao longo da rota do evento, nos arredores da praça Heumarkt. A prefeitura não informou quanto tempo durará a ação. Os semáforos especiais foram encomendados por ocasião dos 50 anos da Rebelião de Stonewall, em Nova York, em que transexuais, gays e lésbicas protestaram contra ações arbitrárias da polícia. A rebelião, que é considerada um dos motores do movimento de libertação gay e da luta pelos direitos LGBT nos Estados Unidos, será lembrada na parada gay de colônia deste ano. Em 2015, Frankfurt também instalou alguns semáforos LGBT na época do CSD. Além de casais do mesmo sexo, várias cidades alemãs têm semáforos para pedestres com figuras não convencionais. Berlim, por exemplo, tem o icônico Ampelmann; Bonn, o compositor Ludwig van Beethoven, nascido na cidade; e Trier também exibe seu filho mais célebre, o filósofo Karl Marx. A cidade de Friedberg, próxima a Frankfurt, recentemente instalou alguns semáforos com figuras que representam Elvis Presley. O cantor serviu como soldado do Exército americano na cidade, de outubro de 1958 a março de 1960.

EFE
Blog da Morango
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Opiniões
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Topo