Vida saudável

Quando a dieta detox é um risco? Métodos estimulam diarreia e vômitos

Getty Images
jejum Imagem: Getty Images

Helena Bertho

do UOL, em São Paulo

16/05/2017 04h00

Andou comendo ou bebendo demais, ganhou uns quilos? Para muita gente, fazer uma dieta detox é uma saída para "limpar" o organismo. Mas alerta: nem sempre elas têm resultado e, ainda por cima, podem até fazer mal.

"Alguns órgãos no nosso corpo, como o fígado e rins, que são responsáveis por livrar o corpo de toxinas. E existem alimentos que podem ajudar o metabolismo e esses órgãos a funcionar melhor, mas as chamadas dietas detox vão no caminho contrário e podem trazer riscos à saúde pois são extremamente restritivas, levando à perda de massa muscular e nutrientes importantes", explica a nutricionista Lara Natacci, membro da Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição.

Ela e a médica nutróloga do hospital Albert Einstein, Andrea Pereira, analisaram alguns dos detox mais populares e os prejuízos que eles podem trazer à saúde. Confira:

  • Detox com efeito laxante

    O detox da limpeza da vesícula e do fígado é baseado em um livro de um médico alemão, prometendo eliminar de forma natural as pedras da vesícula. O procedimento dura uma semana, envolvendo cinco dias de alimentação sem produtos de origem animal e com consumo de suco de maçã, seguidos de jejum nos dois últimos dia e apenas a ingestão de sulfato de magnésio combinado com altas quantidades de azeite e limão para provocar diarreias. Para ambas as especialistas, usar substâncias laxativas por conta é algo extremamente perigoso. "Isso irrita a mucosa intestinal e provoca inflamação, aumentando os riscos de câncer", diz Andrea Pereira. Ela completa: "Além disso, pode levar à desidratação, que é muito nociva". O uso indiscriminado de laxantes também altera a microbiota intestinal, e como resultado, desregula o funcionamento do intestino.

  • Detox da Ayuverda com indução de vômito

    A Panchakarma, detox da Ayuverda, é um tratamento da medicina oriental que tem como objetivo eliminar toxinas e reestabelecer o equilíbrio do corpo. É baseado em cinco passos: vômitos, diarreia, enema (lavagem do intestino), limpeza nasal e limpeza do sangue (através da retirada de um pouco de sangue ou de chás). "Provocar vômito nunca é saudável, nosso esôfago e nossa boca não estão preparados para receber o ácido do estômago, além de poder estimular diversos distúrbios alimentares", diz Andrea sobre a prática. Ela também considera a diarreia arriscada, como explicado antes, e acredita que o enema não tem efeito de desintoxicação. "Quando você evacua, elimina tudo que está no intestino. Não ficam toxinas retidas ali".

  • Dieta a base de líquidos

    Passar um período, mesmo que poucos dias, ingerindo apenas sucos ou sopas pode levar à deficiência de nutrientes importantes para o corpo. "Além disso, a mastigação é importante, ela dá saciedade e estimula o intestino a funcionar", reforça Andrea. E uma pesquisa da Universidade Federal de Viçosa ainda mostrou que a dieta líquida pode fazer com que você coma ainda mais colorias depois, tendo o efeito contrário da desintoxicação.

  • Só limão e água por três dias

    Queridinho de quem está querendo se cuidar e emagrecer, o limão é benéfico para a saúde, pois tem vitamina C e fibras, mas passar vários dias ingerindo apenas ele é perigoso. "Ele não tem tudo que o corpo precisa, pode levar a perda de massa muscular" diz Lara, explicando que é comum que o corpo, após perder músculos, recupere o peso em forma de gordura e isso é prejudicial. Ela também lembra que o limão pode fazer mal para o estômago de algumas pessoas.

  • Fazer jejum por conta própria

    O resultado do jejum, durante um ou mais dias, pode ser exatamente o contrário. "O corpo precisa de alimentos para exercer suas funções. Se você não come, seu organismo vai tentar compensar e pode trabalhar até de forma mais lenta", diz Lara Natacci. Ela ainda reforça que o jejum pode levar à hipoglicemia, com mal-estar, tontura e desmaios. "Se for uma pessoa mais velha ou com alguma doença, pode levar ao coma", completa Andrea Pereira. Alguns médicos recomendam o método do jejum intermitente associado à uma alimentação equilibrada para alguns perfis de pacientes, como aqueles que tem resistência à insulina, mas nesse caso é o profissional de saúde que deve orientar o paciente.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
Estilo
Agência Estado
do UOL
do UOL
Blog do Prem Baba
Estilo
Estilo
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
Blog Bella Falconi
do UOL
Estilo
Blog Luiz Sperry
do UOL
Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
Blog Nutrição sem neura
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
BBC
Estilo
Estilo
BBC
do UOL
do UOL
Topo