Vida saudável

De mau hálito à irritação, como lidar com 8 desconfortos da dieta

Thinkstock
Imagem: Thinkstock

Gabriela Guimarães e Rita Trevisan

Colaboração para o UOL

23/05/2017 04h00

Mau hálito, sensação de cansaço e muita irritação. Esses e outros incômodos são comuns -- e até esperados -- nas primeiras semanas de dieta. Felizmente, há estratégias para amenizá-los, até que o corpo se adapte à nova rotina alimentar.

Fontes consultadas: Sara Bragança, médica especializada em terapia ortomolecular e emagrecimento. Natasha Barros, nutricionista, membro do IFBB – International Federation of Body Building e da IBNF – Instituto Brasileiro de Nutrição Funcional.

  • Falta de energia

    O sintoma é muito comum nos primeiros dias de uma dieta que reduz drasticamente o consumo de carboidratos. A estratégia é eficiente para a perda de peso, mas nem todas as pessoas conseguem se adaptar. Para amenizar o sintoma, vale inserir apenas carboidratos complexos na alimentação, como batata-doce, aipim e arroz integral -- ainda que em quantidade menor, para não prejudicar o objetivo final da dieta. Mas, se mesmo assim o incômodo não sumir entre a primeira e a segunda semana, o ideal é buscar a orientação do nutricionista, para evitar prejuízos à saúde.

  • Mau hálito

    Quando o corpo começa a usar as gorduras como a principal fonte de energia, na ausência de carboidratos, o mau hálito aparece. Também é por conta dessa mudança que o suor e o xixi ficam com cheiro mais forte. Para lidar com esse desconforto, a dica é beber bastante água. A ideia é que boa parte da cetose acumulada -- o agente causador dos maus odores -- seja eliminada pela urina. Outra orientação é fazer as refeições de três em três horas, religiosamente, o que ajuda a amenizar o mau hálito.

  • Irritação

    Como a comida é muito associada ao prazer, é normal que, principalmente nos primeiros dias da dieta, o humor fique instável. Além disso, alguns alimentos altamente calóricos -- como o chocolate, cortado da maioria dos cardápios durante o regime -- que promovem a liberação de substâncias ligadas à sensação de bem-estar e relaxamento. Para persistir na dieta e não ser vítima da irritação, pegar firme nos exercícios é uma alternativa. Depois da atividade, o corpo costuma experimentar sensação parecida com a que vem após o consumo de chocolate.

  • Intestino preso

    Pode ser um reflexo do aumento de proteínas na dieta, quando a intenção é perder gordura e fazer crescer os músculos - as proteínas são alimentos de digestão mais lenta. Como se não bastasse, a redução de gorduras e carboidratos das refeições também diminui o volume do bolo fecal, dificultando o esvaziamento do intestino. Para minimizar esse efeito, é preciso aumentar o consumo de fibras -- presentes em frutas, verduras, legumes e cereais integrais -- e de água. Alimentos probióticos, como iogurtes, também melhoram o funcionamento do intestino.

  • Muita vontade de fazer xixi

    Dietas desintoxicantes combatem a retenção de líquido e vão estimular a eliminação de toxinas por meio da urina. O sintoma também é decorrente de uma dieta com baixo consumo de carboidratos. O que acontece é que a glicose armazenada no fígado e nos músculos começa a ser queimada e, na quebra dessas moléculas, que contêm água, todo o líquido é automaticamente eliminado. A vontade de fazer xixi deve ser encarada como um sinal de alerta se estiver atrapalhando a rotina --a ponto de você não conseguir realizar todas as tarefas por conta das constantes idas ao banheiro. Nesse caso, será preciso avaliar se o regime escolhido não está sobrecarregando os rins. O que os especialistas afirmam é que, em geral, quanto mais clarinha a urina, menos motivos há para se preocupar com ela.

  • Aumento dos gases

    Ao comer mais proteínas --carnes, ovos e whey protein-- os gases, naturalmente, aumentam. Se necessário, a recomendação é consumir alimentos probióticos, que equilibram o funcionamento intestinal. Outras mudanças de hábito dão uma forcinha aos intestinos: mastigar bem os alimentos, aumentar o tempo de cozimento deles e reduzir as porções em cada refeição. Se, mesmo depois de adotadas todas essas medidas, a flatulência continuar a incomodar, será preciso investigar: o sintoma pode indicar um desequilíbrio conhecido como disbiose, que causa também a deficiência na absorção de vitaminas.

  • Dores de cabeça

    Podem estar ligadas ao baixo consumo de carboidratos, que fornecem energia, o combustível que o corpo está acostumado a usar para suas atividades vitais, incluindo as cognitivas. Por isso, nas primeiras duas semanas da dieta, pode-se notar lentidão mental, dificuldade de concentração e até dores de cabeça. Ao fazer muito xixi, perde-se minerais como o potássio e o magnésio, um fator também associado ao incômodo. Consumir alimentos ricos nesses dois minerais é a recomendação dos nutricionistas: derivados do leite, folhas verde-escuras e banana são alguns exemplos.

  • Compulsão por doces

    Também é uma consequência esperada da mudança que a dieta promove no organismo, quando o corpo começa a usar a gordura como fonte de energia, em vez do carboidrato. O normal é que o desconforto suma -- ou se torne muito mais fácil de lidar -- com a adaptação, que pode levar de uma a duas semanas. O consumo de alimentos ricos em fibras e gorduras boas, nesse período, costuma ser estratégia eficiente para sobreviver à compulsão e conseguir dar continuidade à dieta. Alimentos como abacate, castanhas, coco e azeite, por exemplo, podem ser adicionados ao cardápio, em quantidades prescritas pelo nutricionista.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Estilo
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
Redação
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo