Vida saudável

Micropigmentação transmite hepatite C? Veja mitos e verdades da doença

iStock
Micropigmentação de sobrancelhas Imagem: iStock

Thamires Andrade

Do UOL

27/09/2017 04h10

De acordo com o Ministério da Saúde, 135 mil pessoas foram diagnosticadas com hepatite C no Brasil em 2016. Ainda que não haja um surto da doença, ela preocupa os médicos por ser silenciosa e causar lesões graves no fígado, que, inclusive, podem ser fatais.

Isso acontece porque de 80 a 85% das pessoas que contraem o vírus C não conseguem eliminá-lo. Uma vez que ele se instala no fígado, inicia um processo de inflamação do órgão que evolui por décadas e modifica a “arquitetura” do órgão, levando a cirrose.

Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), a hepatite C afeta 71 milhões de pessoas no mundo. O grande entrave ainda é o diagnóstico. “Nós precisamos achar e tratar esses pacientes o quanto antes para que eles não cheguem ao estágio de cirrose”, destaca o infectologista David Urbaez, diretor da SBI (Sociedade Brasileira de Infectologia).

Mas e como se contraí o vírus? Ele tem cura? Para responder essas e outras dúvidas, o UOL conversou com Urbaez e com a infectologista Christiane Kobal, coordenadora do programa de Hepatites Virais do Estado de Goiás e membro do Comitê de Hepatites Virais da SBI. Tire as dúvidas a seguir:

Mitos e verdades da hepatite C

  • Material de manicure e pedicure sem esterilizar favorece a contaminação

    Verdade. As grandes fontes de transmissão do vírus da hepatite C são materiais que entram em contato com sangue. E quantas vezes você não teve um "bife" arrancado na hora de fazer a mão e o pé? Segundo Urbaez, os instrumentos usados no salão são como os de centro cirúrgicos e, por isso, precisam de um ritual de limpeza semelhante. Além de limpar os objetos, também é preciso desinfetar e esterilizar para garantir a segurança. Mas a medida mais segura é ter seu próprio kit de manicure na hora de ir para o salão de beleza.

  • Hepatite C pode ser transmitida por tatuagem ou micropigmentação

    Verdade. As agulhas descartáveis diminuíram a transmissão de hepatite C nos estúdios de tatuagem e salões que fazem maquiagem definitiva e micropigmentação, mas ainda há um problema: a tinta. Christiane explica que de nada adianta a agulha ser estéril, se a tinta usada para fazer o procedimento for coletiva. Isso porque a agulha que teve contato com o sangue pode transmitir o vírus para a tinta. O correto é que cada cliente tenha um kit de agulha e tinta individuais para esses procedimentos.

  • É transmitida pelo beijo ou no sexo?

    Mito. Um beijo "normal" não transmite hepatite C e, para que isso aconteça, seria necessário ter algum ferimento na região, para que pudesse haver troca de sangue. Ainda que o vírus C não seja sexualmente transmissível, os infectologistas recomendam uso do preservativo para evitar a contaminação por outros vírus, como HIV e hepatite B.

  • Dor de cabeça, boca amarga e barriga estufada são sintomas de hepatite C

    Mito. A doença é silenciosa e não tem qualquer sintoma, o que faz com que muitas pessoas só descubram que estão infectadas após 30/40 anos de o vírus estar em atividade no corpo. E aí os sintomas que aparecem não são mais da hepatite, mas sim da hepatopatia avançada. O problema é que, quando essas manifestações surgem, é porque a doença já está em um estado avançado. Sangramento digestivo, icterícia, ascite (acúmulo de líquido no interior do abdome), edema nos músculos inferiores e aumento das mamas nos homens são alguns sinais de que o fígado não está mais funcionando da forma que deveria. Esse estágio da doença só é tratado por meio de transplante.

  • Qualquer médico pode prescrever o exame de hepatite

    Verdade. Inclusive, a Sociedade Brasileira de Infectologia faz campanha para estimular que outras especialidades, como endocrinologistas, ginecologistas e etc., prescrevam o exame que não precisa de nenhum preparo para ser realizado. Caso o resultado seja positivo para o vírus C, é preciso fazer um exame para avaliar se o vírus ainda está ativo no organismo.

  • A hepatite só afeta o fígado?

    Mito. Como o vírus da hepatite C está no sangue, ele não se aloja apenas no fígado. Ele pode aumentar o risco de diabetes, pois ao ficar no pâncreas, altera a produção de insulina. Ele também pode ir para o rim e provocar insuficiência renal, bem como aumentar o risco de doenças cardiovasculares, provocando um infarto. Por isso, é importante fazer o diagnóstico precoce para iniciar rapidamente o tratamento.

  • A doença não tem cura

    Mito. Ainda que esse mito ronde a própria classe médica, os especialistas da SBI garantem que os medicamentos disponíveis no mercado são capazes de eliminar o vírus do organismo do paciente. As chances de cura são altas, de 95 a 99%, e isso faz com que a OMS (Organização Mundial da Saúde) e os principais órgãos de saúde sonhem com a possibilidade de eliminar o vírus.

  • O tratamento da hepatite provoca queda de cabelo

    Mito. No passado, de fato, os medicamentos no tratamento da hepatite C eram ruins para os pacientes. Além de ter que tomar injeções por um ano, um dos efeitos colaterais era a queda dos cabelos. No entanto, o tratamento evoluiu e agora são comprimidos que precisam ser tomados por três meses.

  • O diagnóstico precoce de hepatite C salva vidas

    Verdade. De acordo com os infectologistas, o diagnóstico precoce da doença é importante para o paciente, pois ele pode buscar o tratamento adequado para se curar o vírus. Quando a doença é descoberta em estágio avançado, o vírus já pode ter causado a cirrose, lesões graves no fígado, que é um processo irreversível e que pode até evoluir para um câncer.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
AFP
Estilo
Agência Estado
do UOL
do UOL
Blog do Prem Baba
Estilo
Estilo
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
Blog Bella Falconi
do UOL
Estilo
Blog Luiz Sperry
do UOL
Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
Blog Nutrição sem neura
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
BBC
Estilo
Estilo
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Blog do Prem Baba
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Blog Bella Falconi
Blog Luiz Sperry
do UOL
BBC
Topo