Vida saudável

Remédios, hormônios e estresse: entenda queda de desejo sexual nos homens

Getty Images
Imagem: Getty Images

Denyse Godoy

Colaboração para o UOL, de São Paulo

A falta de de desejo sexual pode afetar os homens tanto quanto as mulheres, mas eles costumam ter mais dificuldades para encarar o tema. “A mulher é mais livre para admitir um problema na área sem que isso signifique um demérito, mas o homem costuma fazer confusão entre impulso sexual e virilidade”, explica a psiquiatra e sexóloga Carmita Abdo, presidente da ABP (Associação Brasileira de Psiquiatria) e coordenadora do Programa de Sexualidade do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo.

A ausência da vontade de fazer sexo pode ter causas físicas e emocionais. "Para todos os casos, existe tratamento e é possível restaurar a libido", explica o urologista Eduardo Bertero, coordenador-geral do Departamento de Andrologia e Sexualidade Humana da SBU (Sociedade Brasileira de Urologia).

“Se a causa é hormonal ou medicamentosa, é mais fácil tratar; para os distúrbios emocionais, é um pouco mais complexo”, diz Bertero. “O importante é que o homem não deve ficar sofrendo. Não é vergonha nenhuma pedir apoio, pois problemas de sexualidade devem ser tratados assim como pressão alta, diabetes e outros.” Entenda as causas mais comuns para a baixa da libido em homens e como tratar.

As principais causas da perda da libido são:

  • Queda do hormônio testosterona

    A testosterona é o principal hormônio do sexo masculino --embora seja encontrado também no organismo da mulher, só que em menor quantidade. É fundamental para o desenvolvimento dos tecidos reprodutores, como os testículos e próstata, para o aumento da massa muscular e para o crescimento de pelos, além de regular o desejo sexual. Como a taxa de testosterona no corpo vai diminuindo conforme a idade avança, essa é a principal causa de baixa libido entre os homens mais velhos. Mas os mais jovens também podem sofrer com essa baixa. Um dos sinais que podem indicar a queda do hormônio é a ausência de ereção ao acordar pela manhã. O tratamento é simples, feito com a reposição do hormônio por meio de injeções ou comprimidos, mas é necessário cuidado extra com pacientes que tenham pressão alta, diabates e problemas de coração.

  • Uso de certos medicamentos, como antidepressivos e ansiolíticos

    A inibição do desejo e do orgasmo surge como um dos efeitos colaterais mais comuns do uso dessa classe de medicamentos. Embora essa causa seja fácil de identificar, é preciso cuidado para resolver o problema porque a medicação não pode ser simplesmente retirada da vida do paciente de uma hora para outra. O médico costuma avaliar a possibilidade de substituição - existe uma grande variedade de princípios ativos a testar para diminuir os danos até que seja possível abandonar o remédio.

  • Depressão

    O sentimento de desamparo e desânimo característico da depressão é inimigo do processo que desencadeia o desejo sexual. Quando o homem está deprimido, acaba se estabelecendo um ciclo vicioso, porque a doença leva à diminuição da libido, e a falta de sexo aprofunda a depressão. No tratamento, médico e paciente devem chegar juntos a uma medicação que não prejudique o desejo ainda mais.

  • Estilo de vida estressante

    De acordo com especialistas, esse é o motivo que mais leva jovens ao consultório do urologista para falar da falta de vontade em fazer sexo. Em geral, homens que exageram na carga de trabalho e nas horas extras sofrem com as consequências físicas. Com toda a energia voltada às realizações profissionais, fica mais difícil sobrar disposição para o sexo.

  • Questões emocionais

    Pacientes de qualquer idade sempre torcem pelo diagnóstico de obstáculo físico, mas existem ainda, motivos emocionais por trás do bloqueio. Para chegar à conclusão certa, é preciso investigar com profundidade as situações em que a disfunção aparece --sozinho, acompanhado, antes ou depois de eventos estressantes-- e também analisar o relacionamento em que vive. O homem pode ficar ansioso demais com uma parceira ou um parceiro novo e não conseguir se excitar, por exemplo, ou até mesmo não sentir mais tesão por determinada pessoa. Quem é mais inseguro do seu desempenho também cita preocupação de decepcionar uma mulher mais experiente.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Estilo
do UOL
do UOL
Redação
do UOL
do UOL
do UOL
Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
Estilo
do UOL
do UOL
Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
Topo