Vida saudável

Como médicos conseguiram 'reativar' consciência de paciente após 15 anos de estado vegetativo

Corazzol et al
Um mês depois de receber um implante, paciente passou a responder a instruções simples. Na imagem é possível ver as respostas do cérebro antes (à esq.) e depois do tratamento (à dir.) Imagem: Corazzol et al

Michelle Roberts

26/09/2017 14h21

Um homem de 35 anos que estava em estado vegetativo havia 15 anos apresentou sinais de consciência e movimentou a cabeça e os olhos após receber um implante para estímulo elétrico do sistema nervoso.

Um eletrodo foi inserido próximo à artéria carótida e um gerador de impulsos elétricos, implantado sob a clavícula do paciente. A cirurgia aconteceu em Lyon, na França.

O homem, que entrou em coma depois de sofrer um acidente de carro, recebeu estímulos de 30 hertz, em ciclos de 30 segundos, seguidos de cinco minutos de descanso. Progressivamente, a intensidade foi sendo aumentada. Um mês depois, passou a responder a instruções simples, como seguir objetos com olhos.

Especialistas dizem que os resultados são potencialmente animadores, mas que é preciso repetir o experimento. Estimuladores do nervo vago (ENV), que conecta o cérebro e diversos órgãos do tórax e do abdome, podem não funcionar com a mesma eficiência em diferentes padrões de lesão cerebral.

Desafio

Corazzol et al
Tomografia que mostra a atividade cerebral do paciente antes (à esq.) e depois (à dir.) do tratamento Imagem: Corazzol et al
Angela Sirigu, do Instituto das Ciências Cognitivas Marc Jeannerod, contou que, para testar a técnica, foi escolhido um paciente com um caso desafiador.

O nervo vago controla funções automáticas ou subconscientes, incluindo alerta e vigília. Após um mês de estímulos, a mãe do paciente relatou que ele apresentou melhor capacidade em ficar acordado ao ouvir o terapeuta lendo um livro.

E as varreduras cerebrais indicaram essa melhora, de acordo com o relatório publicado na revista científica Current Biology.

O paciente também começou a responder a situações de "ameaça". Por exemplo: quando o médico aproximava a cabeça subitamente, ele reagia com surpresa, abrindo os olhos.

"A plasticidade cerebral e o reparo do cérebro ainda são possíveis mesmo quando a esperança parece ter desaparecido", disse Sirigu, que é integrante da equipe responsável pelo estudo.

"Após o relato desse caso, devemos considerar testes em populações maiores de pacientes", completou.

Segundo ela, o tratamento pode ser importante para pacientes que mantém minimamente um estado de consciência e pode oferecer mais caminhos para essas pessoas se comunicarem com o mundo exterior.

Vladimir Litvak, especialista do Instituto de Neurologia da University College London, pede cautela. "Pode ser uma frente interessante, mas eu sugiro ser cauteloso sobre esses resultados até eles serem reproduzidos em mais pacientes", afirmou.

"É difícil saber, com base em um único caso, como o tratamento vai funcionar na população geral de pacientes."

Estado vegetativo

  • É chamado de estado vegetativo quando uma pessoa está acordada sem sinais de consciência; ela pode abrir os olhos, acordar e adormecer em intervalos regulares e ter reflexos básicos; também pode controlar batimentos cardíacos e respirar sem assistência.
  • Uma pessoa em estado vegetativo não mostra respostas significativas, como seguir um objeto com os olhos ou responder a vozes; também não demonstra sinais de experimentar emoções.
  • Um estado vegetativo é considerado contínuo ou persistente é quando ocorre por mais de quatro semanas.
  • Um estado vegetativo permanente é definido com mais de seis meses se for causado por uma lesão cerebral não traumática ou com mais de 12 meses se for provocado por uma lesão cerebral traumática, como um golpe na cabeça.
  • Se uma pessoa está em estado vegetativo permanente, a recuperação é extremamente improvável, mas não é impossível.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
Estilo
Agência Estado
do UOL
do UOL
Blog do Prem Baba
Estilo
Estilo
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
Blog Bella Falconi
do UOL
Estilo
Blog Luiz Sperry
do UOL
Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
Blog Nutrição sem neura
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
BBC
Estilo
Estilo
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Blog do Prem Baba
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo