Vida saudável

Anvisa adia a decisão sobre a proibição de medicamentos emagrecedores no Brasil

Do UOL Ciência e Saúde

Em São Paulo

01/09/2011 07h00

A decisão sobre a proibição dos medicamentos inibidores de apettire que havia sido aninciada para esta quarta-feira foi adiada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Segundo informações da Folha de São Paulo, a decisão foi adiada por conta da ausência de um diretor.

A discussão sobre a proibição deste tipo de medicamento tem se intensificado nos últimos meses. Inicialmente a Anvisa recomendou que os medicamentos fossem tirados do mercados, o que provocou forte reação dos médicos, que acreditam que sem esse tipo de medicamento a epidemia de obesidade no país vai se agravar. Posteriormente um parecer técnico da Anvisa recomenda apenas a retirada dos medicamentos anfetamínicos do mercado, com a manutenção da sibutramina com uso mais controlado. Agora a decisão precisa ser votada pela diretoria da agência.

Opinião pública

Enquanto a Anvisa e os médicos dicutem sobre a proibição dos remédios emagrecedores no Brasil, a maioria da população é a favor da medida. Segundo pesquisa conduzida pela GfK, 74% dos brasileiros é favorável à proibição dos remédios emagrecedores no país. 93% dos entrevistados também acredita que tais remédios podem causar riscos à saúde. Os mais velhos são os que mais apoiam a proibição, entre os que têm acima de 56 anos, o índice chega a 79%, e cai para 68% entre aqueles que têm dos 25 aos 34 anos.

Ainda de acordo com o estudo da GfK, 99% dos entrevistados não tomam medicamento para emagrecer e 81% não fazem dieta ou regime. As mulheres são mais adeptas do regime (22%) do que os homens (14%).

Na opinião da maioria, 79%, praticar exercícios físicos é o que mais funciona para  perder peso. Entre as pessoas que apontam a atividade física como a melhor medida para perder peso, destacam-se as faixas etárias dos 18 aos 44 anos, com média de 83%, sendo que esta porcentagem diminui para 75% entre os que têm dos 45 aos 55 anos, e para 68% entre os que têm acima de 56 anos. A diferença também é significativa ao fazer uma análise socioeconômica, 84% nas classes A e B, e 74% nas classes C e D.

Já a dieta, aparece como a segunda opção mais efetiva para o emagrecimento (40%), sendo menos citada pelos mais jovens dos 18 aos 24 anos (29%). Enquanto os remédios para emagrecimento são citados por apenas 4% da população.

O estudo, realizado em março deste ano, ouviu 1.000 pessoas, a partir dos 18 anos, de nove regiões metropolitanas (Porto Alegre, Curitiba, São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador, Recife, Fortaleza, Belém) e de três capitais (Brasília, Goiânia e Manaus).

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Estilo
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
Redação
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo