Boa forma

Uso de adoçante é seguro e indicado para quem quer emagrecer

Getty Images
As opções de adoçantes são diversas: sucralose, sacarina, aspartame, ciclamato, estévia e acessulfame-k imagem: Getty Images

Thamires Andrade

Do UOL, em São Paulo

Criados para substituir o consumo de açúcar, os adoçantes, antes destinados para pacientes diabéticos, foram incorporados no dia a dia de quem quer emagrecer e se preocupa com o corpo. O aditivo sempre esteve envolvido em muitas polêmicas, mas, segundo especialistas, o consumo dos edulcorantes (outra nominação dos adoçantes) é seguro e recomendado em diversas fases da vida.

O tema foi discutido durante o 17º Congresso Brasileiro de Nutrologia da Abran (Associação Brasileira de Nutrologia) realizado em São Paulo entre os dias 25 e 27 de setembro.

"Para um produto ser aprovado, não é preciso só mostrar a segurança de uso, mas também a necessidade daquela tecnologia. Os adoçantes foram aprovados no Brasil, pois se viu a necessidade de substituir o açúcar nos alimentos e bebidas para diminuir a obesidade", explica Maria Cecília Toledo, engenheira de alimentos e membro de grupos técnicos da Anvisa, OMS e da FAO.

De acordo com Toledo, muitos estudos toxicológicos foram analisados por comitês internacionais, "formados por especialistas sérios", e nenhum deles provou que o consumo dos edulcorantes está relacionado com o câncer e outras doenças. "Os adoçantes são eliminados, eles não se acumulam pelo corpo", acrescenta a engenheira de alimentos.

Para evitar o consumo em excesso dos edulcorantes, uma tabela mostra a dose de ingestão diária aceitável (IDA) com base na quantidade de miligramas por quilograma de massa corpórea. Por exemplo, a IDA do aspartame é 40 mg/kg, ou seja, uma pessoa de 60 quilos pode consumir 2.400 mg desse edulcorante por dia.

"Essa quantidade diária equivale a 60 sachês ou 4,5 litros de refrigerante zero. São doses muito altas, que as pessoas não costumam consumir e é praticamente impossível alguém ultrapassar essa recomendação", exemplifica Filippo Pedrinola, endocrinologista e membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) e da Associação Brasileira de Estudos sobre Obesidade (Abeso).

As opções de adoçantes são diversas: sucralose, sacarina, aspartame, ciclamato, estévia e acessulfame-k. De acordo com Toledo, 80% da ingestão desses aditivos são consumidos pelos brasileiros nas bebidas e nos adoçantes de mesa.

"Não existe um que seja melhor que o outro. O paciente precisa testar e identificar qual ele prefere, qual adoça melhor etc. Não existe uma regra para isso", determina Toledo.

Para os especialistas, quem quer cortar o açúcar para emagrecer, sem perder o sabor, pode optar pelo adoçante. "A preferência pelo doce não pode ser retirada do paladar, pois é inata do ser humano e faz parte da evolução. Mas ela pode ser modificada e administrada de outra maneira com o uso dos edulcorantes", finaliza.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
UOL Estilo
do UOL
do UOL
Estilo
BBC
do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Estilo
do UOL
Estilo
BBC
do UOL
Corpo a Corpo
ESPN
Caras
ESPN
Estilo
Estilo
do UOL
ESPN
Corpo a Corpo
ESPN
ESPN
Estilo
ESPNW
Estilo
ESPN
Estilo
ESPN
ESPN
Harper's Bazaar
Harper's Baazar
do UOL
Topo