Bem-estar

Controle de respiração pode ter efeito similar a antidepressivo, diz estudo

Andrew Rae/The New York Times
Prática antiga, o controle da respiração reduz o estresse e traz vários benefícios para o corpo e a mente Imagem: Andrew Rae/The New York Times

Lesley Alderman

Do The New York Times

16/11/2016 12h43

Respire fundo, expandindo a barriga. Dê uma pausa. Solte o ar lentamente contando até cinco. Repita quatro vezes. Parabéns. Você acabou de acalmar o seu sistema nervoso.

Está provado que a respiração controlada, como essa que você praticou agora, reduz o estresse, aumenta o estado de alerta e melhora o sistema imunológico. Por séculos, os iogues vêm usando o controle da respiração, ou pranayama, para promover a concentração e melhorar a vitalidade. Buda defendia a meditação com controle da respiração como uma maneira de alcançar a iluminação.

A ciência está apenas começando a oferecer evidências de que os benefícios dessa prática antiga são reais. Estudos descobriram, por exemplo, que as práticas de respiração podem ajudar a reduzir os sintomas associados com a ansiedade, a insônia, o transtorno de estresse pós-traumático, a depressão e o déficit de atenção.

“A respiração é incrivelmente prática”, afirma Belisa Vranich, psicóloga e autora do livro “Breathe” (Respire) que será publicado em dezembro. “É meditação para as pessoas que não podem meditar.”

A maneira como a respiração controlada promove a cura ainda é motivo de estudo científico. Uma teoria é que ela pode mudar a resposta do sistema nervoso autônomo do corpo, que controla processos inconscientes como a frequência cardíaca e a digestão, assim como a resposta do corpo ao estresse, explica Richard Brown, professor clínico associado de Psiquiatria da Universidade de Colúmbia e coautor de “The Healing Power of the Breath” (O Poder de Cura da Respiração).

Mudar conscientemente a maneira como você respira parece mandar sinais para o cérebro ajustar o ramo parassimpático do sistema nervoso, que pode diminuir a frequência cardíaca e a velocidade da digestão e promover uma sensação de calma, e também do sistema simpático, que controla a liberação de hormônios do estresse como o cortisol.

Muitas doenças, como a ansiedade e a depressão, são desencadeadas ou agravadas pelo estresse. “Já vi pacientes transformados depois de adotar práticas regulares de respiração”, conta Brown, que tem um consultório particular em Manhattan e dá oficinas de técnicas de respiração em todo o mundo.

Quando você respira de maneira lenta e constante, seu cérebro recebe a mensagem de que está tudo bem e ativa a resposta parassimpática, diz Brown. Quando você respira de maneira curta e rápida ou segura a respiração, a resposta simpática é ativada. “Se você respira corretamente, sua mente vai se acalmar”, explica Patricia Gerbarg, professora clínica assistente de Psiquiatria da Faculdade de Medicina de Nova York e coautora do livro com Brown.

Chris Streeter, professora associada de Psiquiatria e Neurologia da Universidade de Boston, recentemente completou um pequeno estudo no qual mediu os efeitos da prática diária de ioga e respiração controlada em pessoas com diagnóstico de depressão grave.

Depois de 12 semanas de ioga e respiração coerente, os sintomas de depressão dos participantes diminuíram significativamente e seus níveis de ácido gama-aminobutírico, uma substância química do cérebro que possui efeitos calmantes e que controlam a ansiedade, aumentou. A pesquisa foi apresentada em maio no Congresso Internacional de Medicina e Saúde Integrativa em Las Vegas. Apesar de o estudo ser pequeno e não ter grupo de controle, Chris e seus colegas estão planejando um teste controlado e aleatório para pesquisar melhor a intervenção “Os resultados nos deixaram empolgados. Eles mostram que uma intervenção comportamental pode ter efeitos de magnitude semelhante a um antidepressivo.”

A respiração também pode afetar o sistema imunológico. Os pesquisadores da Universidade de Medicina da Carolina do Sul dividiram um grupo de 20 adultos saudáveis em duas equipes. Uma delas foi instruída a fazer dois conjuntos de exercícios de respiração de 10 minutos cada, enquanto o outro grupo deveria ler o texto que quisessem por 20 minutos. A saliva dos participantes foi testada em vários intervalos durante o estudo. Os pesquisadores descobriram que a saliva do grupo da respiração tinha níveis significativamente mais baixos de três citocinas associadas à inflamação e ao estresse. As descobertas foram publicadas no jornal “BMC Complementary and Alternative Medicine” em agosto.

Aprenda três exercícios básicos para fazer por conta própria:

Respiração Coerente

Andrew Rae/The New York Times
Imagem: Andrew Rae/The New York Times
Se você só tem tempo de aprender uma técnica, tente esta. Na respiração coerente, o objetivo é respirar a uma taxa de cinco respirações por minutos, o que realmente se traduz em inalar e expirar contando até seis. Se você nunca praticou respiração antes, talvez tenha que trabalhar para chegar a esta prática lentamente, começando a inalação e a expiração contando até três e aumentando até seis.

1. Sente-se com as costas eretas ou deite, coloque as mãos sobre a barriga.
2. Respire devagar, aumentando a barriga, contando até cinco.
3. Dê uma pausa.
4. Lentamente exale contando até seis.
5. Pratique nesse padrão por dez a 20 minutos por dia.

Alívio do Estresse

Andrew Rae/The New York Times
Imagem: Andrew Rae/The New York Times
Quando sua mente está acelerada e você se sente oprimido, tente a respiração rock and roll, que tem o benefício de fortalecer a região central do corpo.

1. Sente-se de maneira ereta no chão ou na beira de uma cadeira.
2. Coloque as mãos sobre a barriga.
3. Ao inspirar, incline-se para frente a expanda a barriga.
4. Quando expirar, force o ar para fora e curve-se para frente, enquanto inclina o corpo para trás; expire até soltar todo o ar.
5. Repita 20 vezes.

Respiração Energizante “Rá”

Andrew Rae/The New York Times
Imagem: Andrew Rae/The New York Times
Quando bater aquela depressão do meio da tarde, levante-se e faça exercícios rápidos de respiração para acordar a mente e o corpo.

1. Fique de pé com o corpo bem reto, cotovelos dobrados e palmas das mãos voltadas para cima.
2. Enquanto você inspira, puxe os cotovelos para trás, com as palmas ainda voltadas para cima.
3. Expire rapidamente e empurre as palmas para frente virando-as para baixo, enquanto diz “Rá” em voz alta.
4. Repita rapidamente de dez a 15 vezes.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Prem Baba
do UOL
Estilo
do UOL
Agência Estado
Blog do Prem Baba
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Notícias
do UOL
TV CARAS
do UOL
BBC
Redação
Gravidez e Filhos
Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
BBC
Folha de S.Paulo
Casa e Decoração
Folha de S.Paulo
Corpo a Corpo
do UOL
Estilo
Estilo
do UOL
BBC
UOL TAB
BBC
BBC
Espelho Meu
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo