Vida saudável

Aos 32, mulher morre em academia e abre debate sobre riscos de exercícios

Reprodu??o/Facebook
Luciane Pratezzi, morreu após passar mal em uma academia no Paran? Imagem: Reprodu??o/Facebook

Adriana Nogueira

Do UOL

19/01/2017 16h56

Na segunda-feira (16), a comerciária Luciane Pratezzi, 32 anos, passou mal após fazer dois exercícios de musculação na academia Corporal Rey, em Paranaguá (PR). Ela foi socorrida por um professor e levada pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), ainda com vida, às 7h11, para o Hospital Regional do Paraná.

Ela sofreu uma parada respiratória a caminho do hospital. Às 11h15, ela foi declarada morta. A família não autorizou a autópsia, e a causa mortis que consta no atestado de óbito é desconhecida. As informações são da Secretaria Estadual de Saúde do Paraná. A comerciária era casada e tinha uma filha de nove anos.

Segundo uma pessoa próxima a Luciane, ela teria sofrido uma parada cardíaca. Ainda de acordo com essa fonte, a comerciária não tinha problema de saúde e praticava musculação há cerca de dois anos. A fatalidade abre uma discussão sobre episódios de morte ligadas a atividades físicas.

“Mais de 90% dos casos de morte súbita ligadas à prática de atividades físicas têm a ver com problemas cardíacos”, afirma Daniel Kopiler, médico do esporte e presidente da SBMEE (Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte).

Segundo a médica cardiologista Natália Aarão, membro do corpo clínico dos hospitais Sírio-Libanês e Albert Einstein, ambos em São Paulo, muitas doenças só se manifestam durante a prática de atividades físicas de moderada a alta intensidade.

“Às vezes, o indivíduo nunca teve nada, começa a correr e sente o coração acelerar. Essa aceleração pode ser do bem e do mal. No primeiro caso, não é necessário fazer nada. No segundo, se não tratar, a pessoa pode ter uma parada cardíaca e morrer. Por isso, é importante fazer um check-up antes de iniciar qualquer modalidade”, explica Natália.

A cardiologista declara que, no mínimo, esse check-up deve abranger um eletrocardiograma e um teste ergométrico (avaliação de esforço em esteira ou bicicleta ergométrica).

Atestado de saúde

De acordo com o médico do esporte Kopiler, atualmente, em grande parte do país, as academias não são mais obrigadas por lei a exigir um atestado de saúde do aluno, bastando que ele próprio responda um questionário sobre sua condição física. As questões ficam em geral sobre problemas cardiológicos.

“Se o indivíduo responde positivamente a alguma pergunta, como se tem dor no peito ou falta de ar, ele é orientado a procurar um médico ou obrigado a isso. Varia de acordo com a legislação da cidade ou Estado em que o estabelecimento se encontra. É errado recomendar. Deveria ser uma exigência”, afirma Kopiler.

O especialista diz ainda que, muitas vezes, a elaboração e a interpretação do questionário –se o praticante deve ou não procurar um médico— não são feitas por quem deveria, como um educador físico, mas pelo recepcionista da academia.

No Paraná, no entanto, o atestado de saúde é obrigatório por lei. "O médico pode dizer que a pessoa está apta. Está apta para quê, que intensidade, como fazer? A maior parte [dos médicos] nem sabe", fala Kopiler.

Segundo o médico do esporte, existem trabalhos científicos que concluíram –analisando dados sobre morte súbita ligada a exercícios físicos-- que se a pessoa se submeter a uma avaliação pré-participação pode-se minimizar riscos para a saúde.

Para essa avaliação, Kopiler defende que, pelo menos, seja feita uma consulta médica para levantar o histórico de saúde da pessoa e um eletrocardiograma. “Para quem tem mais de 40 anos, é indicado fazer ainda um teste ergométrico.”

No caso de Luciane, notícias iniciais levantaram a possibilidade de ela ter morrido em decorrência de um aneurisma cerebral (dilatação de uma artéria do cérebro), informação que a sobrinha da comerciária disse desconhecer.

De acordo com Kopiler, esse é um evento bastante raro, mas que pode acontecer tanto com a pessoa em repouso quanto fazendo algum esforço físico. “O problema só é detectado com um exame chamado angio TC de crânio, que é uma tomografia computadorizada com contraste. Essa avaliação não é pedida rotineiramente e custa no sistema privado de saúde cerca de R$ 800.”

Mas o especialista diz que o aneurisma dá alguns indícios que devem ser investigados. “No caso de dor de cabeça persistente, que não passa com remédio, e desmaios, a pessoa deve procurar um médico imediatamente. Aneurisma durante prática de atividade física é uma causa rara de morte súbita.”

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Estilo
do UOL
Agência Estado
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
Blog do Prem Baba
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo