Boa forma

Muito cansada para ir treinar? A culpa pode ser do seu ciclo menstrual

Getty Images
Imagem: Getty Images

Thamires Andrade

Do UOL

02/08/2017 04h10

Um dia você vai treinar e percebe que não está com tanta disposição como de costume. No outro, você vai malhar e seu rendimento é sensacional. Sabemos que muitas coisas podem influenciar nossa disposição, como uma boa noite de sono, mas você sabia que o estágio do ciclo menstrual também é um desses fatores?

Conversamos com Zsuzsanna Ilona Katalin de Jarmy Di Bella, livre-docente do Departamento de Ginecologia da Escola Paulista de Medicina da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), e Eliano Pellini, chefe do setor de Saúde e Medicina Sexual da Faculdade de Medicina do ABC, para entender qual é o melhor momento para treinar segundo nosso ciclo menstrual:

Primeiros dias da menstruação: desconforto na hora de treinar

Getty Images
Imagem: Getty Images

Nos primeiros dias da menstruação, período chamado de fase folicular, é normal aquele desconforto e falta de disposição para a atividade física. Muitas mulheres ficam com cólica, o fluxo abundante e o inchaço corporal também contribuem para reduzir a vontade de treinar.

No entanto, a atividade física é extremamente recomendável durante esse período, até para aliviar esses sintomas. Vale uma caminhada leve e evitar exercícios de compressão abdominal.

Depois do quinto dia: hora de treinos de alta intensidade

Getty Images
Imagem: Getty Images

Por volta do quinto dia do ciclo menstrual, começa o período em que temos o melhor rendimento na atividade física.

É nesse momento que nos sentimos mais bonitas, já que o cabelo e a pele melhoram, ou seja, dá para aproveitar e fazer aquela selfie no espelho da academia. E também nossa musculatura também fica mais firme. É o momento ideal para ir para a academia e fazer exercícios de alta intensidade.

14 a 15 dias depois: bom momento para treinar

Getty Images
Imagem: Getty Images

É na fase ovulatória, também chamada de período fértil --por volta de 14/15 depois que a menstruação desce, que o estrogênio (hormônio feminino) está no auge do nosso corpo e essa é a fase que rendemos mais nos treinos.

Nesse período, ocorre a liberação do óvulo e a progesterona aumenta para que possamos nos preparar para engravidar. E é esse hormônio, inclusive, que nos deixa mais sensíveis, tanto emocionalmente quanto fisicamente, como o aumento da sensibilidade das mamas.

Então, a tendência é ficarmos mais maternais e menos agressivas, por isso, nesse período são bem-vindos exercícios como pilates, hidroginástica e uma caminhada mais leve.

Pré-menstrual: momento em que a raiva pode impulsar os treinos

Getty Images
Imagem: Getty Images

A última etapa do ciclo é chamada de fase lútea, quando se verifica se o óvulo foi ou não fecundado. Se ele não for fertilizado, entramos na fase pré-menstrual e, junto com ela, pode vir a TPM (Tensão Pré-Menstrual).

Nessa fase, os níveis de progesterona são mais altos, por isso, ficamos inchadas. E a produção de serotonina também é afetada, o que pode causar alterações de humor, nos deixando mais agressivas ou depressivas.

De uma forma geral, o rendimento do exercício é pior nessa fase, no entanto, se a modalidade praticada for luta, toda raiva e irritação dessa fase pode fazer com que você se dê bem nos treinos.

Toma pílula?

Getty Images
Imagem: Getty Images

Então o certo é você não sentir essas alterações, pois a maioria dos métodos anticoncepcionais hormonais faz com que você pare de ovular, suspendendo essas variações hormonais. Ainda que existam alguns anticoncepcionais que interfiram de forma mais favorável na disposição para treinar, outros podem diminuir o seu rendimento. A dica é conversar com o seu ginecologista para escolher o método mais se adequa ao seu dia a dia.

Mas Zsuzsanna destaca que alguns métodos contraceptivos, como o DIU de progestagênio, não suspendem completamente a ovulação, mas sim, impedem a penetração dos dos espermatozoides, e, com isso, interferem menos no ciclo hormonal da mulher. "Algumas pílulas também têm uma quantidade de hormônio muito baixa. Nesses casos, se a mulher continuar ovulando, ela até pode ter alguns sintomas parecidos com quem tem ciclo regular, mas não na mesma proporção", fala.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Estilo
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Bloomberg
do UOL
Topo