Vida saudável

Como é a mastectomia, cirurgia que a personagem Ivana pretende fazer

TV Globo
Ivana (Carol Duarte) corta os cabelos e adota um visual mais masculina em cena emocionante de "A Forēa do Querer" Imagem: TV Globo

Bárbara Therrie

Do UOL

31/08/2017 04h20

Numa das cenas mais dramáticas da novela "A Força do Querer", exibida na última terça (29), a personagem Ivana (Carol Duarte) revelou aos pais que nasceu um menino. Ao desabafar que passou a vida toda não aceitando o seu corpo, a jovem chocou a família ao afirmar que deseja retirar os seios. Questionada pela mãe se vai se mutilar, a jovem responde que já nasceu mutilada.

Quem acompanha a trama sabe que essa não é a primeira vez que Ivana expressa sua vontade de ter nascido sem as mamas. Em outro momento marcante, a jogadora de vôlei se desespera e esmurra os peitos ao observá-los esmagados com uma faixa na frente do espelho.

Assim como a personagem da novela, na vida real, muitos homens transgêneros buscam adequar o corpo à forma com o qual se reconhecem e recorrem à cirurgia de retirada das mamas para conquistar esse objetivo. A mastectomia --também chamada entre médicos de toracoplastia ou mamoplastia masculinizante-- consiste na retirada da glândula mamária e o reposicionamento dos mamilos, explica Rodrigo Itocazo Rocha, cirurgião plástico do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP e membro do ProSex.

Cirurgia pode ser feita pelo SUS

Na novela, Ivana pedirá ao pai para custear o procedimento. Fora da ficção, esse tipo de cirurgia particular varia de R$ 8 mil a R$ 20 mil, informa Rodrigo. Os homens transgêneros também podem ter acesso à mastectomia pelo SUS (Sistema Único de Saúde) através do “Processo Transexualizador”, instituído pela Portaria nº 2.803, de novembro de 2013.

Para ser encaminhado à mastectomia, o paciente transexual precisa atender a uma série de requisitos estabelecidos pelo Conselho Federal de Medicina e pelo Ministério da Saúde. A pessoa deve ter idade mínima de 21 anos e passar por acompanhamento multiprofissional, com psicólogo, psiquiatra, endocrinologista, assistente social e cirurgião por no mínimo dois anos.

Esse período é muito importante para o paciente se certificar da transformação que pretende fazer em seu corpo. “A cirurgia é irreversível quanto à perda da capacidade de amamentação, já que a retirada do tecido mamário representa retirar as células que produzem leite. A possibilidade de reversão cirúrgica fica limitada a devolver o volume mamário através de implantes de silicone”, alerta Rodrigo.

Uma vez confirmada a decisão, o próximo passo é o pré-operatório. O paciente deve apresentar boas condições de saúde, estar com o peso adequado, realizar exames de sangue, cardiológicos, mamografia e ultrassom, além de portar laudo que comprove o acompanhamento psicológico pelo tempo determinado. A cirurgia demora cerca de 10 anos para ser autorizada.

Como funciona o procedimento

As técnicas utilizadas na cirurgia de mastectomia podem variar de acordo com o tamanho e a forma das mamas. Beatriz Lassance, cirurgiã plástica e membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, explica que, no caso de mamas pequenas, a retirada da glândula mamária pode ser feita diretamente pela aréola, deixando a cicatriz ao redor dela. O tecido mamário também é retirado e uma lipoaspiração para ajustar a área do tórax pode ser necessária.

Em mamas maiores, uma das opções é fazer a incisão pelo sulco inframamário, com a cicatriz ficando abaixo do músculo peitoral. O excedente de pele é corrigido e a aréola e o mamilo são reposicionados, comenta Adriano Brasolin, cirurgião plástico e coordenador da Cirurgia Plástica do Ambulatório do Núcleo de Assistência Multiprofissional à Pessoa Trans da Unifesp.

Com duração de 1h a 4 horas, a mastectomia oferece os mesmos riscos que qualquer outro procedimento cirúrgico, como sangramentos, hematomas e infecção. Dependendo da complexidade do quadro, a cirurgia pode ser feita sob anestesia local, geral ou bloqueio peridural.

João Miguel Júnior/TV Globo
A personagem trans Ivana decide fazer cirurgia para retirar os seios Imagem: João Miguel Júnior/TV Globo

Pós-operatório e recuperação

A alta hospitalar ocorre no mesmo dia ou no dia seguinte à operação. “A pessoa sai do centro cirúrgico com curativo fechado e uma malha compressiva, uma espécie de colete que deve ser usado por um mês e ajudará na acomodação da pele, diminuirá o inchaço e evitará a formação de secreções”, explica o cirurgião plástico Adriano. Há casos em que o paciente precisa ficar com dreno para evitar o acúmulo de líquidos nas mamas e o mesmo é retirado após alguns dias.

Os médicos alertam que seguir as recomendações do pós-operatório são fundamentais para ter uma boa recuperação. O paciente não deve fazer exercícios físicos e movimentos bruscos com os braços por 30 dias. Antibióticos e analgésicos são prescritos para o alívio da dor e os curativos devem ser feitos no consultório do cirurgião dois dias após o procedimento. Posteriormente, o retorno ocorrerá uma vez por semana por três semanas e depois a cada 15 dias por três meses para o controle da cicatrização.

De acordo com Beatriz, a cicatrização pode levar de um a dois anos e algumas técnicas e instrumentos, como lasers, fitas de silicone e medicamentos podem ajudar no processo. “Enquanto a cicatriz está se formando, podemos intervir com pomadas e hidratação. É comum a marca ficar mais avermelhada nos primeiros dois meses e com o tempo clarear. Uma dieta rica em frutas, verduras e proteínas também auxilia nessa fase.”

Após a cirurgia, o paciente deve continuar o acompanhamento clínico, cirúrgico e psicológico, que pode durar de três meses a um ano. De acordo com Alexandre Saadeh, psiquiatra e coordenador do Ambulatório Transdisciplinar de Identidade de Gênero do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo, “o acompanhamento psiquiátrico contribui para o bem-estar, o entendimento, a diminuição do autopreconceito, a melhoria dos relacionamentos e a estabilização afetiva”.

O rastreamento anual por câncer de mama após os 40 anos deve ser mantido pelo homem trans, mesmo com a retirada total da mama, pois há chances de ter a presença de células mamárias remanescentes, finaliza o dr. Adriano Brasolin.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
Estilo
Agência Estado
do UOL
do UOL
Blog do Prem Baba
Estilo
Estilo
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
Blog Bella Falconi
do UOL
Estilo
Blog Luiz Sperry
do UOL
Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
Blog Nutrição sem neura
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
BBC
Estilo
Estilo
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Blog do Prem Baba
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Blog Bella Falconi
Topo