Boa forma

Diagnosticado com síndrome do pânico, ele largou o álcool e emagreceu 35 kg

Arquivo Pessoal
William, mandrake, antes e depois Imagem: Arquivo Pessoal

Thamires Andrade

Do UOL

06/10/2017 04h20

Willian Domingues, 35, mais conhecido como "Mandrake", resolveu mudar de vida quando descobriu que as palpitações que sentia não era sintoma de infarto, mas sim da síndrome do pânico. Viciado em bebida alcoólica, ele abandonou a vida de balada e adotou um estilo saudável para acompanhar o crescimento dos filhos:

"Era militar do exército e tinha um porte físico legal. Depois que saí da corporação e me mudei para Itajaí, em Santa Catarina, comecei a engordar. Passei a trabalhar em uma revista de música e parei a atividade física, bebia e fumava muito. Em dez anos, a balança marcava 130 quilos.

Tem alguma dúvida sobre a saúde do seu corpo? Mande sua pergunta para o e-mail pergunteaovivabem@uol.com.br que nós encontraremos os melhores especialistas para respondê-la.

A alimentação era só fast-food. Também trabalhava como diagramador em um jornal e, no fechamento, era só pizza, pastel e lanche. A minha alimentação era toda bagunçada, não tinha tempo para comer certo. Já no fim de semana, seguia as tradições do Sul: churrasco, costela e cerveja.

Percebi que minha qualidade de vida era péssima e eu não estava acompanhando meus filhos crescerem. Chegava fim de semana, em vez de ir brincar no parque, só queria beber e fazer churrasco.

No fim de semana, caía na farra de comidas e bebidas e toda segunda ia parar no pronto-socorro com dor no peito, achando que ia infartar. Foi um ano de idas e vindas para o hospital com taquicardia. Estava tão sedentário e pesado que não conseguia caminhar muito tempo. 

Sensação de infarto, na verdade, era síndrome do pânico

Arquivo Pessoal
Imagem: Arquivo Pessoal
Em uma dessas minhas idas ao hospital, achei que realmente estava infartando e tive que fazer cateterismo. Passou um filme na cabeça, quando vi minha esposa e meus filhos chorando. Os médicos falaram que meu coração estava perfeito. Ninguém descobria o que eu tinha. Foi quando pensaram que podia estar com algum problema psicológico.

Fui encaminhado para o psiquiatra e diagnosticado com síndrome do pânico devido ao estresse e a rotina intensa de trabalho. Os ataques de ansiedade causados pela síndrome do pânico aconteciam por conta das noitadas, bebedeiras e estresse. Foi aí que resolvi mudar. 

Tomei a decisão de parar de beber e de fumar. Nunca mais coloquei uma gota de álcool na boca. E passei até por crise de abstinência nos primeiros 15 dias. Cheguei a desmaiar de vontade de beber.

Nessa época, precisei tomar antidepressivo. Tomei o remédio por um ano e, depois, aprendi a lidar com o pânico e a ansiedade graças ao esporte.

Com alimentação e academia, perdi 35 quilos em quatro meses

Depois de um tempo, passei a treinar boxe e musculação. Sentia que estava com uma qualidade de vida melhor, mas não mudava minha composição corporal. Foi quando me indicaram acompanhamento de um nutricionista esportivo. Ele fez uma reeducação alimentar, principalmente me colocando uma rotina, pois sempre fui muito bagunçado, não tinha horário para café da manhã, almoço e jantar.

Passei a comer de três em três horas e também aderi a salada, que odiava. Como reduzi a ingestão de carboidrato, passei a compensar na salada, legumes e proteína.

Bastou a alimentação regrada e os treinos de boxe e musculação diários para perder 35 quilos em quatro meses.

Larguei as besteiras por algumas receitas com proteína e sem carboidrato, como ovos e barrinhas. Me satisfaz e também ajuda a me manter firme na dieta. Fiquei mais disposto para treinar e foi nessa época que entrei no jiu-jitsu e também no MMA. Há dois anos estou competindo e sou campeão sul brasileiro pela CBJJE na minha categoria. Já tenho 11 medalhas de ouro.

Leia Mais

E qual é o segredo de tudo isso? Determinação

A determinação é a chave de tudo. Quando comecei a emagrecer, queria ter gominhos na barriga. Nem meu nutricionista botou muita fé, mas foquei e consegui. Não fiz abdominoplastia nem nada, até porque tenho medo de cirurgia. 

Quando ainda era gordinho e via que um amigo emagrecia, perguntava qual era o segredo. Não acreditava que quando você mudava sua alimentação e rotina, as coisas aconteciam.

Hoje conto minha história e inspiro as pessoas com o meu canal no YouTube e meu perfil no Instagram. Acho legal mostrar para as pessoas que mudar é demorado, mas é possível. Com 92 quilos e livre dos meus vícios, meu círculo de amizades mudou e ando com pessoas que cuidam da saúde. Acompanho o crescimento dos meus filhos e eles me motivam a cada competição. Meu maior troféu foi adotar um caminho saudável por eles e ver que eles estão crescendo longe de pessoas que bebem e usam drogas.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Fernando Guerreiro
do UOL
do UOL
do UOL
Blog do Fernando Guerreiro
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Especiais
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
Topo