Comportamento

Mulheres que trabalham com tecnologia são punidas por denunciarem assédio

Getty Images
Mulheres que trabalham com tecnologia são punidas por denunciarem assédio Imagem: Getty Images

do UOL, em São Paulo

18/08/2017 16h10

A discussão sobre a misoginia e o assédio na indústria da tecnologia parece estar longe do fim. Depois do manifesto "antifeminista" publicado por um funcionário do Google e dos relatos de violência psicológica contra a mulher na Uber, a ONG "Women Who Tech" decidiu fazer um levantamento para entender até que ponto as denúncias têm resultado em avanços para a mulher na área.

O resultado? Essas mulheres são, frequentemente, mais punidas por falarem de suas experiências do que os seus agressores pelos atos que cometeram

A pesquisa ouviu 950 trabalhadores da indústria de tecnologia, 750 mulheres e 200 homens. Ao perguntar aos dois grupos sobre assédio, a diferença com a experiência foi alarmante: 53% das mulheres já havia passado por uma situação semelhante (e 60% destas, mais de uma vez), enquanto apenas 16% sofreu algum tipo de agressão do gênero — moral, sexual, etc. 

Entre as mulheres que já passaram pela violência, 63% responderam que o agressor foi um colega de trabalho, enquanto 41% responsabilizaram um supervisor. 72% disseram que o assédio foi de cunho sexual, 57% foram vítimas de algum tipo de toque indesejado e 13% receberam ofertas de promoção em troca de uma relação sexual. 

No entanto, a violência de gênero não é o único problema da indústria de tecnologia. 15% das mulheres e 23 dos homens já passou por alguma agressão racial, 7% das mulheres e 17% dos homens foi vítima de homofobia e 7% de cada grupo enfrentou discriminação em relação a sua identidade de gênero.

As mulheres, no entanto, ainda relataram tolerar comentários sexistas com frequência. 34% afirmaram que já ouviram de um colega a sugestão de que deveriam se demitir para ter filhos e 71% delas contou que um colega dirigiu a um homem perguntas que elas eram mais preparadas do que eles para responder. Apenas 16% dos homens passaram pela mesma situação.

O relatório da "Women in Tech" ainda conclui que apenas 16% das mulheres denuncia esse tipo de agressão aos departamentos de recursos humanos e 23% para um gestor. Por quê? Só 46% disseram que suas denúncias foram levadas a sério pelas empresas e 12% ficaram satisfeitas com as soluções oferecidas. E enquanto 35% enfrentaram consequências por terem se manifestado, apenas 9% dos seus agressores também foram repreendidos ou punidos.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
"Fui marmita de traficante"
BBC
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Blog do Fred Mattos
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Astrologia S/A
do UOL
Redação
Redação
Redação
BBC
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
BBC
Redação
Topo