Comportamento

Na vida profissional, determinação vale mais do que talento

Getty Images
Persistência é palavra-chave no trabalho Imagem: Getty Images

Gabriela Guimarães e Rita Trevisan

do UOL, em São Paulo

17/11/2017 04h00

Os especialistas em carreira são unânimes em afirmar: ter talento para atuar em determinada área não é garantia de sucesso. No contexto em que vivemos hoje, outras características relacionadas com a inteligência emocional, como a capacidade de persistir e aprender com as derrotas, representam um grande diferencial competitivo.

Persistência é palavra-chave

“Eu circulei muito por incubadoras de empresas e conheci verdadeiros gênios que simplesmente não tinham a perseverança para levar adiante seus projetos, enquanto outros empreendedores menos geniais chegaram lá, simplesmente porque acreditaram em suas ideias”, conta Silvina Ramal, autora de onze livros sobre empreendedorismo e gestão, entre eles Como Transformar seu Talento em um Negócio de Sucesso e Construindo Planos de Negócios. Ela destaca que a possibilidade de persistir em um ideal profissional, diante dos primeiros fracassos, é o que pode fazer a diferença na conquista do sucesso.

Mas, para isso, é preciso encarar as derrotas como uma circunstância conveniente para ampliar o repertório de competências, buscando aprender com os erros. “Não basta aceitar que não funcionou, é preciso entender o que deu errado, para mudar as estratégias”, diz Fernando Mora, master coach, diretor fundador da Ellite Consultoria. É o mesmo que desenvolver a capacidade de ser resiliente, ou seja, lidar bem com as situações negativas da vida, porém, sem se acomodar, buscando caminhos para vencê-las.

Habilidades de relacionamento X habilidades técnicas

Tão importante quanto não perder a fé em si mesmo – e nos planos de crescer profissionalmente – é investir nas habilidades de relacionamento. Afinal, a competência técnica, por si só, não permite estabelecer conexões com pessoas influentes na sua área e que podem abrir as portas para boas oportunidades.

“Estamos vivendo na era do conhecimento e, diferentemente da era industrial, os que se destacam são aqueles que conseguem estabelecer e construir bons relacionamentos. O processo de geração de conhecimento está diretamente associado à capacidade do profissional de trocar ideias e de operar em rede”, explica Mauro Félix, coordenador da Escola de Negócios do Centro Universitário Celso Lisboa.

Veja também:

É preciso ter um plano

Segundo os especialistas, outro ponto estratégico para a construção de uma carreira sólida é a capacidade de traçar metas e planejar quais ações serão capazes de conduzir ao objetivo final almejado. Um processo que começa com o autoconhecimento.

O primeiro passo é avaliar as suas forças ou pontos fortes e, também, os seus pontos fracos, em que é preciso investir, para desenvolver-se. “Talento sem empenho não vale nada. As pessoas que estão dispostas a saírem de sua zona de conforto para conquistarem novos espaços são as que chegam onde desejam”, diz Mauro.

De acordo com o master coach Fernando Mora, o roteiro de ações para essa evolução pessoal, rumo à ascensão profissional, deve ser orientado por três questões básicas: “O que posso continuar fazendo?”, “O que devo começar a fazer?” e “O que devo parar de fazer?”.

Uma coisa por vez

Definir prioridades é uma das etapas mais importantes do planejamento da carreira. Assim, é possível ir galgando os degraus do autodesenvolvimento de forma gradativa, de olho nas habilidades que o mercado mais valoriza.

Além disso, vale ter em mente que, no caminho da realização profissional, não há outra alternativa senão estudar, aprender, especializar-se. “O conhecimento nunca avançou tão rapidamente como hoje. A chance de se tornar obsoleto em um espaço de tempo muito curto é enorme se o profissional não estiver permanentemente atualizado em sua área de especialidade”, avisa Silvina Ramal, consultora de educação corporativa.

Foco no resultado

Na lista de competências essenciais para o sucesso, os especialistas em carreira incluem, ainda, o nível de comprometimento com a atividade profissional. “Nem sempre estamos no emprego dos sonhos mas, mesmo assim, é importante que o foco seja a superação, que o colaborador tenha um compromisso consigo mesmo, de dar o seu melhor”, conclui Shírley Freitas, coach da Consultoria Ponto C.

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Redação
do UOL
do UOL
do UOL
Redação
BBC
Redação
Redação
BBC
Bloomberg
Redação
Redação
Redação
Blog do Fred Mattos
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
EFE
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Agência Estado
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
BBC
do UOL
BBC
AFP
Redação
Topo