Comportamento

Grupo de mídia evangélico usa linguagem LGBT para fazer propaganda anti-gay

do UOL, em São Paulo

23/01/2018 11h46

O grupo de mídia evangélico "Anchored North", fundado na Califórnia, nos EUA, tem usado a linguagem de campanhas digitais pró-LGBT, como #ItGetsBetter e #LoveWins, para promover terapias de conversão, entre outras mensagens homofóbicas.

Veja também

Em um vídeo viral batizado de "Love is Love" — "amor é amor", em tradução livre —, uma jovem chamada Emily narra sua jornada pessoal para sair do armário. "Amor não acontece necessariamente entre homem e mulher. Se você é um verdadeiro cristão, ficará do meu lado porque Deus é amor", ela diz nas imagens.

Toda a identidade visual da produção traz as cores do arco-íris, como em uma mensagem tipicamente pró-orgulho da comunidade LGBT. No entanto, cerca de dois minutos depois, Emily entra em uma igreja e afirma que procurou no Google os versículos da Bíblia associados à homossexualidade. "Eles me assustaram bastante", afirma no vídeo.

No fim, ela termina abraçada a um homem enquanto explica: "Não é [uma transição] de gay para hétero, mas sim de 'perdida' para 'salva'". O argumento do vídeo pontua que humanos "não nascem assim", como entende a comunidade LGBT, mas sim, que eles nascem em pecado e podem encontrar esperança em Jesus.

Repercussão da publicação

Greg Sukert, um dos fundadores do "Anchored  North", disse ao jornal britânico "The Guardian" que o vídeo não promove terapia de conversão — uma prática psicoespiritual que visa alterar a orientação sexual do indivíduo em questão.

"A mensagem de que alguém pode mudar a atração e o desejo que sente não é a mesma que a da terapia de conversão. O princípio dela é usar a psicoterapia para alterar o comportamento de alguém, que não é a nossa mensagem. O que estamos dizendo é que Deus pode mudar seu coração".

Ele ainda afirmou que o grupo de mídia tem sido perseguido por causa de suas crenças religiosas e seu desejo de ajudar "almas perdidas".

Desde sua publicação em 28 de dezembro, o vídeo já acumula mais de 2,2 milhões de visualizações no Facebook e milhares de comentários a favor e contra a mensagem — o que não inclui os números da audiência no Youtube ou no site do grupo, onde é possível encontrar outros conteúdos para a geração Y como "Bebês abortados vão para o céu?" e "Eu perdoei meu estuprador". 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Blog Deu Match
Redação
do UOL
Redação
EFE
Blog Extraordinárias
Blog Alto Astral
Blog da Morango
Redação
AFP
Redação
EFE
BBC
Blog Alto Astral
Blog Deu Match
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Blog Alto Astral
do UOL
Redação
Redação
do UOL
AFP
Redação
Redação
Blog Deu Match
Redação
Blog Extraordinárias
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
ANSA
Blog Alto Astral
Redação
Redação
Redação
Redação
AFP
Topo