Gravidez e filhos

"Impossível ter tempo com os filhos? Se vira!", diz especialista

Getty Images
Imagem: Getty Images

Thais Carvalho Diniz

Do UOL, em São Paulo

07/12/2017 04h00

A psicoterapeuta Lúcia Rosenberg é mãe de três, mas diz que, se pudesse, teria mais filhos. Autora de "Cordão Mágico – Histórias de Mãe e Filhos" (Ofício das Palavras) e palestrante do TEDx SP, o ponto principal de suas discussões é a intimidade familiar, escassa nos dias atuais, segundo ela. E, diferentemente, do que você pode imaginar, esses laços não são naturais. É preciso criá-los e, mais do que isso, cultivá-los. 

Leia também:

"Não basta ter consanguinidade para que a intimidade se instale. Ela começa na primeira conversa, seja quando for, e se edifica a cada próximo papo, com curiosidade na pergunta e atenção na resposta. E precisa ter mão dupla. Os pais precisam despir-se do papel engessado e se revelar. Os filhos querem saber quem eles foram no passado, os amigos que tiveram, as regras que transgrediram e os motivos."
 
Lúcia confessa que o conhecimento adquirido pela profissão a ajudou a construir a relação com Mateus, 29, Raquel, 28, Jonas, 26, da qual tanto se orgulha, mas que assumiu um compromisso quando decidiu colocá-los no mundo. Por isso, se você está lendo esse texto e pensando que é impossível ter tempo para isso hoje em dia, a resposta dela é simples: se vira!
 
"Ninguém colocou filho no mundo só para popular e poluir mais. É difícil, mas ninguém falou que era fácil. Eu dizia que seria a melhor mãe que pudesse --e acho que consegui. Foi um compromisso, nada de pieguice. Para isso, o primeiro passo foi tentar sempre entender a vida pela perspectiva deles." 

"Ser amigo não é perder autoridade"

Para Lúcia, uma vez que não criamos a tão esperada intimidade dentro de casa, a distância e o estranhamento tomam conta. E não adianta esperar as crianças crescerem, "pois estarão mais maduras e vão entender melhor uma conversa".
 
"Nesse ponto os pais já se tornaram estranhos e os filhos vão escolher uma outra família, a da namorada, por exemplo, ou entender a intimidade como algo desconcertante. E as viagens em família serão um inferno." 
 
A psicoterapeuta explica que a queixa do tempo moderno é o excesso de conectividade das crianças e jovens, mas que os adultos não estão nada diferentes. "Não existe mais horário de expediente. Os pais reclamam dos filhos, mas estão sempre conectados. Sobra pouco tempo para cultivar os encontros e se os telefones estiverem ligados, pior ainda." 


"Palmada é covardia. A sua fúria não pode ferrar o seu filho"

Castigo físico, na opinião de Lúcia, é inadmissível, covarde e demonstra falta de controle. "Recomendo até que se fume um cigarro. A sua fúria não pode ferrar você e o seu filho. Nada se resolve com cabeça quente. Pede cinco minutos e respira." 

Ela conta que com os filhos tinha uma máxima de não admitir mentira e segurar qualquer verdade. Por isso, quando vinham com alguma notícia estarrecedora --o que acontecia--, ela tinha que se controlar ou não teria mais verdades para lidar. 

Arquivo pessoal
A psicoterapeuta Lúcia Rosenberg Imagem: Arquivo pessoal

"Ficava brava, nervosa, mas não poderia ser violenta com eles ou os perderia. Por isso, o jeito foi sempre pedir cinco minutos ir até 'ali' para digerir e depois conversar e explicar porque eles haviam sido egoístas ou o quanto aquilo foi perigoso e errado."

Lúcia explica que aceitar não é passar a mão na cabeça. E que é preciso entender que os filhos não são um grande projeto dos pais, mas "sementes com atributos próprios".

"Punição é o caminho para quem não aprendeu conversando e pode ser estabelecida por cada família: não ir naquela festa, por exemplo. Mas tenha o prazer de conhecê-los e não de imaginar o que eles seriam para depois decepcionar-se." 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
Blog Lado B
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Topo