Sexo

Por que vários casamentos resistem a longos períodos sem sexo?

Getty Images
Se ambos estão tranquilos e percebem que o amor e o desejo mútuo continuam a existir, tudo corre bem Imagem: Getty Images

Heloísa Noronha

Colaboração para o UOL

24/11/2017 04h00

A fase de seca é mais comum do que se imagina. E, não, não tem nada a ver com traição, fim do amor ou ausência de desejo sexual. Pelo contrário: esses casais, em muitos casos, são superligados e vivem muito bem. Descubra as razões pelas quais várias pessoas encaram extensas temporadas sem transar e ainda assim a relação sobrevive sem nenhum arranhão.

Leia também:

Determinados momentos contam com outras prioridades

Exemplos? Excesso de trabalho, cuidados com os filhos pequenos, reforma da casa, problemas envolvendo as famílias de origem, questões financeiras, gravidez, período pós-parto, doenças, mudança de emprego etc. A lista é vasta e engloba desde preocupações simples do cotidiano até demandas mais  críticas, mas que podem impedir o relaxamento e a tranquilidade para transar. Às vezes, nem há uma razão específica ou grave para o par deixar o sexo de lado. O desejo não acabou, apenas acontece de a energia do casal não estar voltada para isso.

O casal é bem resolvido e maduro

Obviamente o sexo é algo importante na relação, mas existem outras coisas, igualmente importantes. Vários casais passam por essas fases sem sexo numa boa porque são maduros o suficiente para compreenderem que um casamento é composto por vários ingredientes que se complementam: amor, carinho, ternura, companheirismo, amizade, parceria e apoio em projetos comuns, cuidados com os filhos, administração do lar, etc. Se ambos estão tranquilos, em harmonia, e percebem que o amor e o desejo mútuo continuam a existir, tudo corre bem.

Existem mais formas de satisfação

Em certas fases, o sexo pode ser compensado por outras coisas e/ou a libido fica dirigida para realizações diferentes - e que também proporcionam prazer, como a construção de uma nova casa ou o investimento num projeto profissional. Mesmo que o casal fique um tempo sem transar, não se afasta afetivamente.

A proximidade afetiva é muito forte

Nos casais em que existe cumplicidade, os períodos sem sexo são facilmente compreendidos e chegam a ser naturais. Isso não se torna uma preocupação, porque os dois estão juntos enfrentando aquilo que precisam enfrentar e sabem que têm um vínculo forte. Eles têm intimidade emocional e entendem que essas fases fazem parte de um casamento. Como a conexão emocional é bem intensa, nunca se sentem distante um do outro.

Há fases mais "amigas"

É normal, nos casamentos de muitos anos, haver períodos em que se pratica sexo com maior frequência e outros em transar é mais recorrente. Às vezes, simplesmente o casal está vivendo uma fase mais típica de "coleguinhas", companheiros. Estão curtindo outras coisas em comum e depois voltam a transar normalmente.

Ambos têm uma visão realista da vida a dois

Nos relacionamentos mais longos, o casal já passou pela fase da idealização. A vida em comum é mais realista. Ambos sabem que a falta de sexo é temporária, que se gostam e se desejam e têm segurança no amor e no desejo que sentem um pelo outro. Isso não detona uma relação solidificada à base de um vínculo forte, em que existe confiança e tranquilidade das duas partes.

O sexo tem grande influência na construção do vínculo amoroso, mas nem tanta na manutenção dele

O auge acontece sempre no início dos relacionamentos, como parte do estado alucinado da paixão. A novidade, a empolgação com a nova fase, o fato de um querer saber tudo sobre o outro, entre outros fatores, contribuem para que as transas sejam mais quentes e frequentes. Com o passar do tempo, porém, um casal constrói inúmeras outras coisas importantes que acabam por envolvê-lo, tirando consideravelmente o foco do sexo: filhos, vida social, projetos de vida em comum, a convivência no dia a dia, a cumplicidade, a parceria... O amor construído e alimentado no decorrer dos anos adquire maior importância que o sexo em si.

Consultoria | Carmen Cerqueira Cesar, psicoterapeuta e terapeuta de casais, de São Paulo (SP); Marina Vasconcellos, psicóloga, terapeuta familiar e de casal pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), e Triana Portal, psicóloga clínica e terapeuta de casal, de São Paulo (SP)

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Mayumi Sato
Redação
Redação
Da Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Mayumi Sato
Mayumi Sato
Redação
do UOL
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Mayumi Sato
Mayumi Sato
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Topo